quinta-feira, março 02, 2017

DISCIPULADO DESCOMPROMETIDO (JZ 1:1-2:5)



DISCIPULADO DESCOMPROMETIDO (JZ 1:1-2:5)
JOSUÉ E  A CONQUISTA DA TERRA
Js 1 – a Promessa
Js 23 – Condições dadas por Deus.
JUÍZES E A CONQUISTA DA TERRA
Judá -  Jz 1:8, 11, 17,18  (o erro Jz 1:3)
Família de Calebe – exemplo de como deveria ser
Nem tudo deu certo – Jz 1:21-36
DEUS FALA
Jz 2:1 – Gilgal (remover) – Js 5
Falha em expulsar os ídolos Jz 2:2,3
Não conseguiram ou não quiseram? (Jz 1:19 x Jz 2:2)
Sem o evangelho, viveremos em complacência ao pecado ou esmagados pelo medo.

quinta-feira, fevereiro 09, 2017

Gálatas 4:Graça para estéril

Graça

Paulo ensinou aos cristãos de Gálatas (ex-pagãos) que eles eram filhos de Abraão no momento em que eles acreditaram em Cristo (3:7,4:7). Os falsos mestres, por outro lado, ensinavam que eles tinham que se submeter a toda lei mosaica, incluindo a circuncisão, para serem filhos de Abraão. Agora, ele usa a ilustração dos dois filhos de Abraão, Ismael e Isaque, para apontar que o ensino básico do evangelho não apenas faz de qualquer um filho de Deus, mas também o mais religioso e moral é capaz de deixar a família de Deus. O evangelho reverte os valores do mundo.

 Esta passagem levanta questões sobre como devemos interpretar a Bíblia. Normalmente, o melhor modo de ler a Bíblia é procurar discernir o intento original do autor. Já que acreditamos que Deus inspirou os autores originais, esta é a forma mais segura de interpretar um texto. Paulo, aqui, contudo, diz que no verso 24, que vai tomar o texto figurativamente, como alegoria. Ele lê a passagem de Gênesis sobre Sara e Agar como um símbolo de duas aproximações a Deus - fé e obras. Isto significa que podemos ignorar as preocupações originais do autor?

A resposta é sim, Paulo está usando floreio retórico quando usa a expulsão da mulher escrava por Sara (Gn21:10 - Gl 4:30) para advertir as pessoas a se livrarem dos mestres que negavam o evangelho da graça. - Sara não estava nos dizendo para amar o evangelho- ela estava com inveja-. Mas, a interpretação de Paulo da passagem de Sara e Agar não é fantasiosa. É um fato simples para Abraão ter um filho através de Agar não era preciso fé. Era algo capaz da perfomance humana, mas para Abraão ter um filho com Sara teve que haver uma fé enorme em Deus para que acontecesse o milagre. Então, nestas duas mulheres, Abraão se deparou com duas formas de viver pela fé e confiar em nossas próprias forças. Paulo reconhece isto enquanto  lê a história.


Gl 4:21
Digam-me vocês, os que querem estar debaixo da lei: Acaso vocês não ouvem a lei?

O que significa querer estar debaixo da lei ?- 4:4-5 e 5:16-20

 Aqui olhamos para frente - capítulo 5 - e  para trás - capítulo 4 - para ter uma boa ideia do conceito básico que Paulo está procurando ilustrar com esta história de Agar e Sara em 4:21-31.


Estar debaixo da lei não pode significar obedecer a lei. Isto significa que um cristão, que é livre da lei não teria que obedecer a lei. Mas, este não é caso. Gl 5:16-20 é um exemplo claro. Paulo lista todas as ações que são proibidas para um cristão.  Todas estas coisas a lei de Deus proíbe. Paulo em todo lugar de suas cartas assume que cristãos devem dizer a verdade, amar uns aos outros, viver puramente e assim por diante. Mas, numa reviravolta chocante, Paulo realmente atribui as atitudes desobedientes a estar debaixo da lei! Veja em 5:16, Paulo contrasta ser guiado pelo Espírito contra dos desejos pecaminosos da natureza pecadora, mas em 5:18, ele contrasta guiado pelo Espírito e estar debaixo da lei. Essencialmente, ele vê estar debaixo da lei e estar preso a natureza pecaminosa como coisas bem semelhantes. Então, sua lista de coisas proibidas vem de estar debaixo da lei. É marcante o modo como paulo não encoraja a desobediência da lei.

Se estar debaixo da lei não significa obedecer a lei, o que é? Significa confiar na lei pra se aceito por Deus.

A mensagem destes versos é atual e relevante para as pessoas religiosas. De acordo com o verso 21,  ela é endereçada para aqueles que desejam estar debaixo da lei.  Há muitos hoje. Eles não os judaizantes de quem Paulo fala, mas pessoas cuja religião é legalista, que imaginam que o caminho para Deus é pela observância de certas regras. Eles supõem que seu relacionamento com Deus depende da adesão a estas regras. Eles estão presos a elas.

Pòdemos ver isto claramente no 4:4-5, onde Paulo diz que Cristo redimiu aqueles que estão debaixo da lei dando a eles plenos direitos de filhos. Sem Cristo, confiávamos na lei para ganhar aceitação para entrar na familia de Deus. Mas, Cristo vem debaixo da lei, que significa que Ele obedeceu ela de maneira completa por nós, então agora nossa filiação não está baseada em nosso comportamento, mas no de Cristo.  Cristãos tem todos os direitos de filhos agora. Não temos que esperar até o fim de nossas vidas para receber isto, esperando que vivemos bem o suficiente para merecer.

Existem 4 tipos de pessoas no mundo:

1 - Obedecer a lei  -  Confiar na Lei

 Estas pessoas estão debaixo da lei, normalmente são presunçosas, auto-justificadora e farisaica. Externamente, elas estão bem certas que estão de acordo com Deus, mas no fundo, elas tem um monte de insegurança, já que não podem verdadeiramente estar certas que estão vivendo de acordo com os padrões.  Isto as torna sensíveis às críticas e devastadas quando suas orações não são respondidas.


2. Desobedecem a lei e confiam na lei.

Estas pessoas tem uma consciência religiosa de justiça pelas obras, mas não estão vivendo de maneira consistente com isto. Como resultado, elas são mais humildes e mais tolerantes dos outros que os fariseus acima, mas eles carregam mais culpa, sujeitas a variações de humor e, por vezes, muito receosas de assuntos religiosos. 


3. Desobecem a lei. Não confiam na lei.

Estas pessoas jogaram fora o conceito da lei de Deus. Elas são intelectualmente seculares ou relativistas ou vagas espiritualmente. Elas escolhem viver de acordo com seus próprios padrões morais e insistem em satisfazê-los. Mas, Paulo em Romanos 1 diz que num nível sub-consciente, elas sabem que há um Deus que deveriam obedecer. São mais tolerantes e felizes que os grupos acima, mas tem um senso forte de auto-justiça liberal. Elas estão  conquistando a própria salvação se sentindo superior aos outros. 

4. Obedecem a lei, mas não confiam na lei.

Estes são os cristãos que entederam o evangelho e estão vivendo da liberdade disto. Eles obedecem a lei de Deus fora alegria graciosa que vem do conhecimento de sua filiação e vem da liberdade do medo e do egoísmo que os falsos ídolos geram. Eles são mais tolerantes que o grupo 3, mais simpáticos que o 2 e mais confiantes que o 1.  



2. Por que você acha que Paulo pode dizer que aqueles sob a lei realmente não escutam o que a lei diz?

No verso 21,  Paulo diz que que os querem estar debaixo da lei, não estão cientes daquilo que a lei realmente diz. Este é um argumento ad hominem, mostrando uma posição que é insustentável em suas próprias bases.  Paulo está dizendo que a lei que você propões a seguir está contradizem você. Paulo pode estar usando a palavra lei para simplesmente se referir ao registro do Antigo Testamento sobre a vontade de Deus. Agora, ele está indo para a história de Agar e Sara que é também usada pelos falsos mestres que disseram aos gálatas que não eram filhos de Abraão até que obedecessem a toda a lei mosaica.

Paulo está  virando o jogo e mostrando que Abraão teve dois filhos, e então, há duas formas de nos relacioarmos com Abraão, uma correta e uma errada. Este é um argumento brilhante. 

Lendo a história de Gn  16:1-4; 18:10-14; 21:1-10. Quais as diferenças nos nascimentos dos dois filhos?

Abraão teve dois filhos, Ismael e Isaque, por duas mulheres diferentes, Agar, a escrava de Sara, deu a luz a Ismael , enquanto  Sara, esposa de Abraão, deu a luz a Isaque. 

Ismael representa o esforço humano para conquistar a promessa, enquanto que Isaque representa o milagre concreto da promessa. 


Paulo diz claramente que Ismael e Agar representa o pacto da lei do Sinai e a cidade terrena de Jerusalém, que é consistida  por pessoas que não aceitaram a Cristo, e que então estão na escravidão. Isto se refere ao debaixo da lei já que a frase abre a passagem. Paulo tem se referido as obra de justiça e a salvação pela lei nos capítulos 3 e 4 como escravidão.

Aqui se trata de uma alegoria, principalmente por conta das escolhas de Abraão. Ele poderia ter esperado por Deus, mas ele escolheu confiar em sua própria habilidade e trabalho para ter um filho. Sara ficou com inveja de Agar e isto trouxe divisão na família.

O evangelho é que não tentamos alcançar uma justiça que nossas habilidades possam desenvolver. Em vez disso, devemos receber uma justiça providenciada através de atos sobrenaturais de Deus na história, na encarnação, expiação e ressurreição de Cristo. Abraão não confiou na graça de Deus através de sua ação sobrenatural na história, mas sim em sua própria capacidade. Quando deixamos de descansar em Deus, mas buscamos ser nosso próprio salvador, o resultado é estrago e desintegração - espiritual, psicológica e relacional. Assim, vemos por que Paulo escolheu os dois filhos como uma boa ilustração das duas maneiras de se aproximar de Deus.


Que confia na lei é descendente de Agar e não de Sara!

Por que Paulo fez isso? Ele está fazendo o ponto que aqueles que estão sob a lei, que confiam na lei, estão tanto em escravidão espiritual quanto Hagar estava na escravidão literal. Em v.24-25, Paulo está unindo o pacto de lei do Sinai, a atual Jerusalém, Agar e todos os que fazem da lei o meio de justificação com Deus e o principal princípio da vida. O tempo todo, Paulo tem dito que são aqueles "sob a lei" que são escravizados. Em 4: 7-9, ele diz que as pessoas que procuram justificar-se através da lei são tão escravizados como os pagãos são para os seus deuses. Legalismo significa que você nunca está seguro de si mesmo; Você é sempre perseguido por um sentimento de culpa e inadequação, ou então por uma necessidade de se sentir superior.

Mas, embora tenha dito isso o tempo todo, ele agora brilhante e dramaticamente fez seu ponto de novo. Embora os falsos mestres orgulhosamente se considerem relacionados a Abraão por Sara e Isaque, Paulo diz que eles são espiritualmente descendentes da escrava, do gentio, do pária. Seu coração e sua aproximação a Deus é como Abraão

 

sábado, janeiro 28, 2017

Evangelho e sua riqueza
Malaquias 3:8-10, 4:1-2



Esboço inicial
1. Porque o dinheiro exerce poder sobre nós
2. Como o dinheiro exerce poder sobre nós
3. Como podemos quebrar esse poder.

1. POR QUE O DINHEIRO EXERCE PODER SOBRE NÓS?

Os versos 8 e 9 tem uma pergunta: Será que um homem pode roubar a Deus? Mas você me roubou.

A palavra roubar aqui é rara, significa oprimir, pilhar ou saquear. Um país rico que tira vantagens sobre uma parte mais fraca. Parece incongruente que Deus use esta palavra aqui.

Deus diz que a falta de generosidade com o dinheiro, ele está falando da mesquinhez que é cósmica e que estamos inconscientes para ela.

1. 1Cr 28:29: Tudo vem de Deus, só lhe damos que já é seu.

2. Deus não desiste da propriedade dele quando ele dá a você: você se relaciona com seu dinheiro da mesma forma que um gerente financeiro se relaciona com seus clientes. Você é um corretor, um mordomo.  Se você é um gerente financeiro e vê seus fundos crescer, você fica animado, mas não fica confuso sobre de quem é o dinheiro, se você estiver, isto é crime, você será acusado de fraude.

3. Sabemos quais são os valores monetários de Deus. Deus criou o mundo para ser um lugar inter-relacionado, interdependente de shalom (paz). Ele quer que trabalhe sua riqueza em prol da comunidade.

4. Estamos cegos para isso. O dinheiro nos cega para o poder que tem sobre nós. O dinheiro é diferente de outras coisas. O materialismo e ganância é um pecado dos olhos, ele sempre busca cegar sobre sua presença.

5. As pessoas nunca vêm confessar seus pecados de ganância. Ninguém enxerga isto como um problema.

6. Em Lucas 11:42, a Bíblia dá uma diretriz para testarmos a nós mesmos.  A condenação de Jesus é por se recusarem ir além do dízimo.


COMO O DINHEIRO EXERCE PODER NÓS?

Traga o dízimo ao templo

O problema é que não damos em proporções bíblicas.

tesouro do templo

Todo templo  tinha um tesouro  e deste tesouro era apoiado o culto

Se o seu tesouro não está indo para o tesouro do templo, ele está indo para outro templo e você tem outro tesouro.

SEU TESOURO é onde você acha mais fácil para colocar seu dinheiro. É fácil colocar seu dinheiro em direção aquilo que é seu verdadeiro deus, não importa o que você diz que acredita


O dinheiro sempre vai mostrar o que você adora

Por algum dinheiro você serve  a um ídolo de aprovação, segurança  ou controle.


quinta-feira, janeiro 19, 2017

Gálatas 3:15-25: Evangelho e a Lei

EVANGELHO E A LEI

Gálatas 3:15-25



15 Irmãos, como homem falo. Se o testamento de um homem for confirmado, ninguém o anula nem lhe acrescenta alguma coisa. 16 Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua posteridade. Não diz: E às posteridades, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua posteridade, que é Cristo. 17 Mas digo isto: que tendo sido o testamento anteriormente confirmado por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não o invalida, de forma a abolir a promessa. 18 Porque, se a herança provém da lei, já não provém da promessa; mas Deus, pela promessa, a deu gratuitamente a Abraão. 19 Logo, para que é a lei? Foi ordenada por causa das transgressões, até que viesse a posteridade a quem a promessa tinha sido feita, e foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro. 20 Ora, o medianeiro não o é de um só, mas Deus é um. 21 Logo, a lei é contra as promessas de Deus? De nenhuma sorte; porque, se dada fosse uma lei que pudesse vivificar, a justiça, na verdade, teria sido pela lei. 22 Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos crentes. 23 Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. 24 De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que, pela fé, fôssemos justificados. 25 Mas, depois que a fé veio, já não estamos debaixo de aio.


Introdução
Não há uma questão mais prática que o relacionamento do cristão com a lei de Deus. O que escutamos são alegações radicais da salvação pela graça, nós imediatamente perguntamos as seguintes questões: se estamos livres da lei que significa que não devemos obedecer a lei de Deus? Porque então devo seguir vivendo a vida santa? O que é a natureza da minha obrigação com a lei de Deus? Paulo coloca esta questões importantes aqui.

A palavra grega nos versos 15 e 17 é traduzido como aliança, e está é a mesma palavra para os pactos do Antigo Testamento. Paulo aqui usa a ideia de vontade na lei greco-romana para ensinar o relacionamento de Deus com nós. Ele explica que a vontade não pode mudar uma vez que a morte acontece. O testamento vai acontecer independente do que eles fazem.

Versos 19b-20 são extremante crípticos. "Foi ordenada por causa das transgressões, até que viesse a posteridade a quem a promessa tinha sido feita; e foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro.
20. Ora, o medianeiro não o é de um só, mas Deus é um." Nenhum está certo sobre o que Paulo entendia e como isto se encaixa no argumento. Por sorte, a confiança do argumento de Paulo e  outros pontos de suporte são claro, então não é urgente que nós decodificamos estas sentenças para entender a ele. Alguns comentaristas pensam Paulo está dizendo que Deus falou a lei para o povo através de um mediador, Moisés, mas ele falou a promessa diretamente para Abraão. Contudo, isto não é de todo certo.

O verso 24 diz que a lei foi colocada para controlar a gente, que nós estamos sob sua supervisão. As palavras gregas aqui são mais específicas que a tradução pode transmitir. Paulo diz que a lei é o nosso tutor, um paidagogos. Nas casas dos dias de Paulo, o tutor ou guardião era usualmente um escravo que supervisiona as crianças para bem dos pais.



1. QUAL PRINCÍPIO É COLOCADO NO VERSO 18? COMPARE E CONTRASTE O QUE ISTO SIGNIFICA COM RECEBER  ALGO POR PROMESSA VERSUS RECEBER ALGO PELA LEI?


O princípio é que os conceitos de promessa e lei são mutualmente exclusivos. Se eu dou algo porque eu tenho prometido, não por causa da sua performance. Se eu dou algo porque você tem feito, não é por causa da promessa. Paulo é firme: ou vem algo da graça ou das obras, porque o doador da promessa ou recebedor da performance. Isto é um ou outro.

Isto toma alguma reflexão. Para uma promessa levar a um resultado, é necessário apenas acreditar, mas a lei traz resultado, isto significa obedecer. Por exemplo, se eu digo a você: Meu tio quer te encontrar e dar 10 milhões, a única forma de falhar em receber o dinheiro é deixar de acreditar na promessa. Mas, se por outro lado, eu digo, meu tio está deixando uma herança de 10 milhões, se você viver com ele e tomar conta dele, então, você deve cumprir a condição para ter o dinheiro.  Uma promessa doadora apenas se acreditar você recebe, mas na lei, você deve obedecer para receber.

2.  POR QUE A LEI DE MOISÉS NÃO É HÁBIL PARA SUBSTITUIR OU ADICIONAR ALGO ÀS PROMESSAS FEITAS PARA ABRAÃO? - Veja Genesis 15:9-18.


Paulo sabia que alguns poderiam ver que a lei de Moisés chegou depois das promessas de salvação de Deus para Abraão e concluir que: Ah! Isto muda as coisas! Se nós tomamos a benção de Abraão, nós devemos agora obedecer a lei de Moisés". Mas, Paulo demonstra que esta é uma falsa conclusão.

Ele coloca seu caso usando um exemplo da lei humana. Ele aponta que os contratos humanos são vinculativos e difíceis ou impossíveis de anular. Como ninguém pode colocar de lado ou adicionar a um contrato humano que foi devidamente estabelecido, assim também é o caso (Gl 3:15). A palavra que Paulo usa é Diatheke (pacto), uma palavra para uma vontade legal. Isto, é claro, é bom exemplo já que a vontade é devidamente e legalmente realizada, nós consideramos que isto vincula não importante as mudanças que aconteçam nas condições. Então, da mesma maneira são as promessas de Deus. Por exemplo, se uma mulher deixa para sua mais dinheiro para sua filha pobre do que sua filha rica, o documento legal vai gerar efeitos mesmo se a filha rica perder todo seu dinheiro no dia após a morte da mãe.  A vontade permanece a despeito das novas condições.
O exemplo da diatheke humana no verso 15, e o princípio do esse ou outro do verso 18 juntos fazem o caso de Paulo.  A lei não derruba a promessa (Gl 3:17). A lei de Moisés não pode transformar a promessa de Abraão em algo diferente do que é - uma promessa. Como pode o advento da lei mudar a natureza mesma da promessa de Deus para Abraão de que haveria uma intervenção sobrenatural, um salvador, que faria isto pela graça, mesmo se custasse a Deus muito? Este é um argumento poderoso. Se a lei de Moisés veio como um caminho de salvação, isto significa que Deus tinha mudado de plano. Significando que Deus tinha decidido que não precisa de um salvador, e Ele iria abençoar baseado no comportamento, não na promessa. Isto não pode ser.


Para resumir o argumento: se a lei de Moisés foi intencionada para ser um caminho para a salvação, então a promessa para Abraão não seria uma promessa real. Então, a lei de Moisés tem um propósito diferente.

4. QUAL É, ENTÃO, O PROPÓSITO DA LEI (Gl 3:19-22)?  O que significa prisioneiros do pecado?

"As pessoas tolas, mas sábias em seus próprios conceitos ir à conclusão: Se a lei não justifica, é bom para nada.Que tal? Porque o dinheiro não justifica, você diria que o dinheiro é bom para nada? Não justifica, você quer que eles sejam levados para fora? Porque a Lei não justifica que não se segue que a Lei é sem valor ". (Lutero)

 Paulo demonstra que a lei foi adicionada por causa das transgressões (3:19), até que Cristo venha. Ele explica esta ideia no verso 22, quando ele diz que a Escritura declara que todo mundo é um prisioneiro do pecado. O grego de Paulo é vívido que nossa tradução. Ele diz, literalmente, que a Escritura aprisiona todo mundo para o pecado. Ele provavelmente lembra sua própria experiência anterior a conversão- Rm 7:17ss). Ele tinha sido um fariseu satisfeito consigo mesmo, até que a lei contra cobiça e inveja foi contra ele. A lei fez ele ver e se sentir moralmente sem ajuda. Ele entendeu que não era apenas um pecador, mas um prisioneiro do pecado, sem poder ser livre ou curar a si mesmo.  Isto nos mostra o propósito da lei: mostra que não apenas estamos distantes da vontade de Deus, mas estamos completamente sob o poder do pecado.

A lei não veio para nos falar sobre salvação, mas sobre pecado - transgressão. A lei não foi enviada como um modo de salvação porque ela não pode dar vida (3:21b) Ironicamente, se nós pensamos que podemos ser justos pela lei, perdemos de vista o propósito da lei.

Em resumo, Paulo diz que a lei nos mostra o nosso pecado então aquilo que é prometido...para ser dado para aqueles que crêem (3:22b). Em outras palavras, a lei faz seu trabalho nos levando a reconhecer a nossa necessidade da salvação pela graça. A lei, então, não se opõe a promessa mas a suporta. De fato, a promessa apenas chega a nós por causa do trabalho da lei.

5. NOS VERSOS 23-25, COMO PAULO EXPLICA QUE A LEI LEVA A PESSOA DE CRISTO?



Paulo usa duas metáforas para caracteriza o modo que a lei trabalha na vida cristã. Primeiro, a lei é um guarda. Antes que a fé venha, somos tidos prisioneiros pela lei, que nos apriosa até que a fé seja revelada - 3:23-. As palavras gregas para mantido prisioneiros e presos significam ser protegidos por guardas militares. Segundo, Paulo diz que a lei é um tutor, paidagogos. A lei é colocada no controle para nos levar a Cristo -3:24. Nos lares dos dias de Paulo, o tutor ou guardião era usalmente um escravo que supervisionava as crianas para os pais. Veremos esta metáfora novamente no capítulo 4.

Em ambos os casos, o guarda e o tutor removem a liberdade. Nos dois, o relacionamento com a lei não é íntimo ou pessoal, mas é baseado em recompensas e punições. E neles somos tratados como crianças ou pior. Então, Paulo descreve que toda a religião que não está baseada no evangelho é caracterizada por:
a. um senso de aprisionamento.
b. um relacionamento não pessoal com o divino, motivado por um desejo por recompensa e medo de punição.
c. ansiedade sobre a posição com Deus.

A segunda metáfora, diferente da primeira, mostra o verdadeiro propósito da lei é instrutivo. Isto aponta para além de si, como um tutor que procura preparar as crinças para viver como adultos, como pessoas livres. a lei aponta para a vida:

a. não confinamento, mas de liberdade.
b. não impessoal, mas um relacionamento pessoal com Deus.
c. não imaturidade, mas maturidade de caráter.

Existem muitos lugares na Bíblia onde isto acontece, pede que amemos a Deus com toda a nossa alma e tenhamos a lei escrita em nossos corações. Isto busca nos mostrar a nossa necessidade da salvação pela graça - porque não conseguimos obedecer isto. Isto mesmo indica nossa carência de ir alem das recompensas e punições para uma motivação de gratidão e amor em relação a Deus como base para a nossa obediência. Entao, a lei continuamente enfatiza que precisamos de retidão, poder, amor de Deus além de nós mesmos e além da lei. Precisamos da salvação pela graça.

E a lei ainda deve ser autorizada a cumpir seu dever dado por Deus hoje. Uma das grandes falhas da igreja é a tendência de atenuar o pecado e julgamento...devemos nunca ignorar a lei e vir diretamente ao evangelho. Ao fazer isto, estamos contradizendo o plano de Deus na história bíblica. Nenhum homem pode apreciar o evangelho até que a lei tenha sido revelada primeiramente para ele. 
Muitos cristãos testificam que quando ficaram cientes de sua necessidade por Deus, eles passaram por um tempo de imaturidade em que se tornaram extremanente religiosos. Eles cumpriam rituais para tentar limpar suas vidas. .

E a lei ainda deve ser autorizada a cumprir seu dever de Deus hoje. Uma das grandes falhas da igreja contemporânea é a tendência ao pedal suave e ao julgamento ... Nós nunca devemos ignorar a lei e ir diretamente ao evangelho. Fazer isso é contradizer o plano de Deus na história bíblica ... Nenhum homem jamais apreciou o evangelho até que a lei o revelou primeiro a si mesmo. É somente contra a neblina de tinta do céu noturno que as estrelas começam a aparecer, e é somente contra o fundo escuro de pecado e julgamento que o evangelho brilha. "- John Stott, Gálatas, pp. 92-93.Nota: Muitos cristãos (embora não todos) testemunham que, quando se tornaram conscientes da necessidade de Deus, passaram por um período de imaturidade em que se tornaram extremamente religiosos. Eles diligentemente procuraram consertar seus caminhos e fazer deveres religiosos para "limpar suas vidas". Eles fizeram "entregar" lágrimas a Deus nos cultos. Eles "deram suas vidas a Jesus" e "perguntaram-lhe em seus corações". Mas muitas vezes eles estavam apenas resolvendo ser muito bons e muito religiosos, esperando que isso obtivesse o favor ea bênção de Deus. Nesta fase, eles tendem a ter muitos altos e baixos emocionais (como crianças), se sentindo bem quando fizeram um compromisso espiritual e desanimados quando não conseguiram manter uma promessa a Deus. Sentiram muita ansiedade. Eles eram, como diz Paulo aqui, como crianças sob um "tutor". Eles estavam a caminho de descobrir Deus no evangelho, mas eles ainda não estavam lá!

6. Se não estamos sob a "supervisão" da lei (v. 25), isso implica que podemos viver como quisermos? Imagine as características de uma relação com a lei baseada na salvação pela graça ao invés de uma baseada no medo e na salvação por desempenho?


Nossos esforços para agradar a Deus pela obediência a essa lei nos mostraram que devemos ir além da lei para um sistema de salvação. Assim aprendemos a lição que a lei procurou nos ensinar como tutor / guardião. Isso significa que não precisamos mais obedecê-lo? Não.Como vimos acima, a lei era o nosso "supervisor" até que encontramos Cristo, e era assim como um guardião sobre uma criança até que ele ou ela alcance a maturidade. Mas vamos extrair a analogia. É o projeto da criação de crianças que quando a criança cresce até a maturidade ele ou ela, em seguida, elimina todos os valores do pai ou tutor e vive de uma maneira totalmente diferente? Não. Se tudo correr bem, a criança adulta não será mais coagida em obediência como antes, mas agora internalizou os valores básicos e as vidas da mesma maneira porque ele ou ela quer.Portanto, Paulo está indicando que não temos mais nenhuma relação com os valores da lei de Deus, mas já não é um sistema de salvação. Já não força a obediência através da coerção e do medo. O evangelho significa que não mais obedecemos a lei por medo da rejeição e esperança de salvação por desempenho. Mas quando compreendemos a salvação por promessa, nossos corações estão cheios de gratidão e desejo de agradar e ser como nosso Salvador. A única maneira de fazer isso é através da obediência à lei. Mas uma vez que chegamos a ele com esta nova motivação, agora somos melhores em nossa obediência do que nunca.

Por quê?


A) Se pensarmos que a lei-obediência nos salvará, nos tornaremos emocionalmente incapazes de admitir como é exigente e exigente. Por exemplo, Jesus diz que ressentir ou desdenhar alguém é uma forma de assassinato em Mateus. 5: 21ss. Somente se você sabe que não pode cumpri-la completamente, e que Cristo fez isso por você, será capaz de admitir quão amplo e profundo é esse mandamento.B) Em segundo lugar, a alegria grata é um motivo que levará a muito mais resistência na obediência do que o cumprimento temível. A complacência temível faz da obediência um trabalho penoso que não pode levar adversidade. Em suma, o evangelho nos permite honrar verdadeiramente a lei de uma forma que as pessoas legalistas não podem. Sem o evangelho, podemos obedecer à lei, mas odiaremos. Vamos usá-lo, mas não vamos realmente amá-lo. Em Gálatas 2: 17-20 (ver comentários, Semana 2), Paulo diz agora que "vivemos para Deus". Em outras palavras, nós não obedecemos mais a Deus por nós, usando o sistema de salvação da lei para obter Coisas de Deus. Em vez disso, nós agora obedecemos a Deus por causa dele, usando o conteúdo da lei para agradar e deleitar nosso Pai. Há muito mais sobre esta motivação em Gálatas 5: 1ff (Semana 19).Lei e graça trabalham juntos na salvação cristã. Muitas pessoas querem um senso de alegria e aceitação, mas não admitem a seriedade de seu pecado. Eles não vão ouvir a análise da lei e dolorosa análise de suas vidas e corações. Mas, a menos que vejamos quão indefesos e profundamente pecaminosos somos, a mensagem de salvação não será estimulante e libertadora. A menos que saibamos o quão grande é nossa dívida, não podemos ter idéia de quão grande foi o pagamento de Cristo. Se não pensarmos que somos todos tão maus, a idéia de graça não nos mudará.