domingo, julho 25, 2010

Tim Keller: Notas de Pensamento sobre a oração diária.

 

Existem três tipos de oração eu tento encontrar tempo em todo dia- meditação (ou contemplação)petição e arrependimento. Eu me concentro nas duas primeiras toda manhã e na última toda noite.

Meditação é atualmente um terreno mediano ou um “blend” entre leitura bíblica e oração. Eu gosto de usar o método contemplativo de Lutero que ele demonstrou em sua famosa carta sobre a oração que ele escreveu ao seu barbeiro. O método básico é este- tome uma verdade das Escrituras e pergunte três questões sobre ela. Como isto me mostra algo sobre como adorar a Deus? Como isto me mostra algo sobre o qual devo confessar? Como isto me mostra algo que eu preciso pedir para que Deus faça? Adoração, confissão e súplica. Lutero propõe que nós fiquemos meditando nisto até que nosso coração se torne aquecido e debaixo do senso da realidade de Deus. Geralemente, isto não acontece. Ótimo. Nós nem sempre oramos para nos sentirmos melhor ou ter respostas, mas, para que honremos a Deus por quem Ele é em si mesmo.

Há dois tios de leitura da Bíblia que eu tento fazer. Eu leio os salmos todo mês utilizando o Livro da Oração Comum. Eu também leio a Bíblia usando o calendário de leitura de Robert Murray M´Cheyne. Eu pego a versão mais fácil- dois capítulos por dia, que contabilizam que você vai ler o Antigo Testamento a cada dois anos e o Novo Testamento todo ano. Eu faço a leitura proposta por M´Cheyne e alguns salmos na manhã, e leio alguns salmos a noite. Eu escolho um ou duias coisas dos salmos e os capítulos de M´Cheyne para meditar sobre, para concluir minhas meditações matinais.

Além da oração matinal (M´Cheyne, Salmos, meditação e petição) e a oração noturna( salmos e arrependimento), eu procuro sempre que possível tomar cinco minutos no meio do dia para fazer um inventário espiritual, seja relembrando as idéias mais espiritualmente radiotivas que vieram na devoção matinal, ou por dando uma rápida olhada para meus maiores pecados e ídolos. Eu faço isto para ver como estou indo até ali naquele dia, se tenho tido más atitudes tais como orgulho, frieza e dureza de coração, ansiedade e maldade. Se eu vejo a mim mesmo indo errado, a oração no meio do dia pode pegar isto. O problema com a oração no meio do dia é achar um tempo para ela, já que cada dia é diferente. Tudo que eu preciso é estar sozinho por cinco minutos, mas isto, às vezes, é imposssível ou mais frequentemente, eu posso esquecer. Contudo, eu carrego um pequeno guia para oração no meio do dia em minha carteira que eu posso tirar e utilizar.

A última forma de oração que eu faço diariamente é a oração com minha esposa, Kathy. Acerca de 9 anos atrás, Kathy e eu contemplamos o fato que nós tinhamos falhados em orar juntos através dos anos. Então Kathy me exortou desta forma: “ E se o nosso doutor falasse para nós que nós tinhamos uma condição séria no coração que no passado seria fatal. Contudo, agora há um remédio que, se nós tomarmos toda noite, ele nos manterá vivos por muitos anos. Contudo, você não pode deixar de tomá-lo nem por uma noite só, ou você morrerá. Se nosso doutor nos contasse isto e nós acreditassemos nele, nós nunca iríamos deixar de fazer isto. Nós nunca iríamos dizer, oh! esqueci de tomar isto”. E por algumas razão, a ficha cairia para nós dois, e nós não poderíamos deixar de lembrar disto todas as noites. Mesmo se nós estívessemos longes um do outro, sempre haveria um telefone para lembrar. Nós oramos de forma muito, muito simples- apenas alguns minutos. Nós oramos para aquilo que nós mais tememos como um casal, ou alguém ou alguma coisa em nossos corações todos dias. E nós oramos pelas necessidades de nossa família. É isto. Simples, mas contudo, tão bom.

É muito díficil permanecer com este regime, especialmente quando estou viajando. Contudo, de vez em quando eu fecho para balanço num período de 40 dias em que eu me esforço para cumprir cada um dos espaços de tempo de oração de todo dia. Isto cria habitos em minha mente e meu coração que ficam em mim, então mesmo quando for ocasiões em que estou muito ocupado, eu acho que sou capaz de ficar com algumas de minhas disciplinmas, e não me deixo ficar frio e duro para com Deus.

Robert Murray M'Cheyne ficou conhecido por dizer aos ministros, “que nossa gente mais precisa de você é sua santidade pessoal”.

sexta-feira, julho 23, 2010

Como a Globo quer enganar você hoje.

foto do portal Globo.com

A recusa de Muricy Ramalho hoje de assumir o comando da seleção brasileira foi um caso claro de desinformação que pratica a rede globo.

No seu site, a empresa dava certa que Muricy era o novo treinador da seleção, falaram até me clausula contratual que possibilitaria eventual liberação em caso de convite da seleção.

Ricardo Teixeira recusou dar entrevista no momento da conversa com Muricy, talvez, abalado com a negativa.
Mais adiante, continuou a trama de desinformação. Não falou com os outros meios, e foi direto ao globo esporte, foi contar uma mentira porque a verdade doída da não aceitação ou do talvez do convite ainda não poderia ser revelada, estava entalada na garganta.


A noite em seu portal tanto como no sportv news, a editoria de esportes da rede globo insiste na mesma notícia manipulada de manhã, diz que Muricy queria o cargo, mas o Fluminense negou, e por isto ele não poderia assumir o cargo.


A Globo tanto como Sportv atuaram na história ou, com uma ingenuidade tremenda ou cumprindo seus papeis dramaturgicos na trama.

Como emissora chapa branco, está insistindo na desinformação. E como Ricardo Teixeira tem a pretensão de ser senhor do mundo e da verdade, eu falei vocês acreditem e aceitem.

Não deu certo neste caso, porque a ESPN, mostrou o encontro entre Muricy e Teixeira, mostrando que a recusa já havia acontecido de manhã, sendo apenas oficializada pelos dirigentes do Fluminense.

Então, fica para o leitor desinformado da Globo engolir o projeto "patriotismo" da Globo e CBF, e torcer para Mano Menezes, que topou ser boi de piranha, já que não tem time para ir tão longe assim no Brasileirão.


Contudo, lembre-se sempre quem escala é RT, não será Mano.

A

quarta-feira, julho 21, 2010

Adriana : Abraço de Pai

Por falar em filho pródigo, se o melhor livro disparado escrito sobre o assunto é do Timothy Keller, seguido por Henri Nouwen. Acredito que a melhor música sobre a parábola é esta:

Finalmente, Deus Pródigo no Brasil.

Finalmente, saiu publicado no Brasil, dessa vez, por uma editora evangélica, ufa!!! The Prodigal God- chamado de O DEUS PRÓDIGO, o subtítulo em português ficou meio piegas, o subtítulo original em inglês era cristianismo redefinido através da parábola do Filho pródigo, que é muito mais o que o livro é. Outra, a linguagem de Keller não tem nada de tocante, Keller coloca que a parábola foi um insulto, nada de tocante.

A capa tá um horror de feia, nada ver com a original ou mesmo com a proposta do video-palestra lançado nos EUA, sem falar que não tem nada a ver com livro, que mexe o tempo todo com metáfora de banquete.

Alguém me explica esta capa em português? Aposto que não leu o livro, o cara que deu a capa e o que colocou o subtítulo.

 

Não li a tradução, li o original na epoca do lançamento, já postei blog aqui um resumão do livro, que vale a pena ler

 

Veja a capa original

 

Video-palestra do Prodigal God http://www.theprodigalgod.com/resources.html

 

A vantagem é custa 24,90, já está a venda na cultura http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/resenha/resenha.asp?nitem=22129901&sid=89695022412721777146550867&k5=16EC3AD8&uid=

Marcha para Jesus?

Alguns trechos em inglês, do artigo da Christianity Today sobre a marcha para Jesus.

 

fonte:http://www.christianitytoday.com/ct/2010/august/1.16.html

I disagree with the theology behind the March for Jesus, which is one of spiritual warfare and prosperity," said Augustus Nicodemus Lopes, chancellor of Mackenzie Presbyterian University in São Paulo. "The March for Jesus is [deemed] a prophetic act … a kind of territorial claim that allegedly destroys fortresses erected by the Enemy in areas where the march happens."

Lopes said it is a "monumental theological misconception" to believe that the march celebrates or promotes church unity. "If evangelicals want to impact our country," he said, "they should do so through lives that exhibit sanctity and ministries that do not cause scandals."

 

São Paulo's March for Jesus has amassed great national visibility, rivaling the city's 3.5-million-strong gay pride parade—one of the world's largest—held only days later. However, the march has not been as successful outside São Paulo. Rio de Janeiro, for example, has a higher percentage of believers than São Paulo, but lack of coordination among a revolving door of organizers has resulted in gatherings of fewer than 10,000 people.

This year's São Paulo march successfully displayed the strength of Brazilian evangelicals, who now make up 18 percent of the population, but was also dogged by controversy. Renascer is under investigation for tax evasion and misuse of donations. Hernandes and wife Sonia were convicted of entering the United States in 2007 without declaring $50,000 to customs authorities. A year later, the roof of the church's headquarters collapsed, leaving 9 dead and more than 100 wounded. Accused of negligence, Renascer still faces considerable civil and criminal actions.

segunda-feira, julho 19, 2010

Tim Keller: A Sedução do Sucesso.

No quarto capítulo de Counterfeit Gods, o pastor Timothy Keller vai tratar de um outro ídolo que o coração pode produzir como fonte de segurança, confiança e aprovação, o sucesso.

Partindo da história do general Naamã, narrada no livro de 2 Reis 5.

A idolatria do sucesso mais do que os outros ídolos, o sucesso pessoal e conquistas levam para um senso que nós somos bons, que nosso valor e segurança estão na nossa própria sabedoria, força e perfomance. Estar no topo naquilo que você faz, quer dizer que não tem ninguém como você. Você é supremo!

Um dos modos de enxergar que o sucesso se tornou uma idolatria é o modo como se encara os problemas da vida, pessoas bem sucedidas tendem a ficar mais chocadas e pertubadas com os fracassos. Porque há um falso sentido de segurança que advém das conquistas, como se elas poderiam nos livrar dos problemas da vida de um modo que só Deus é capaz de fazê-lo.

“Se o seu sucesso é mais do que apenas sucesso para você- se isto é a medida do seu valor e mérito- então, a relização em uma area limitada da sua vida vai fazer você acreditar que você é um expert em todas as áreas. Isto, claro, leva a todos os tipos de más decisões e escolhas. Esta visão distorcida de nós mesmos é parte da cegueira para que a realidade que a Bíblia sempre diz que acompanha a idolatria (Sl. 135:15-18, Ez 36:22-36)” p. 76

O sinal mais evidente de que o sucesso se tornou uma idolatria é quando nós não conseguimos nos manter auto confiantes a não ser que estejamos no topo do nosso campo escolhido. Hoje, vivemos numa cultura de competição,  a família que era um oásis na batalha, hoje é uma incumbadora de guerreiros.

Tim Keller chama Naamã de o bem-sucedido homem morto, ele era um dos homens mais bem sucedidos e poderosos de todo mundo. Como diz 2 Reis 5:1: “E Naamã, capitão do exército do rei da Síria, era um grande homem diante do seu SENHOR, e de muito respeito; porque por ele o SENHOR dera livramento aos sírios; e era este homem herói valoroso, porém leproso.”

A lepra é uma termo bíblico de significado amplo, ambrangendo doenças na pele que desfiguram suas vítimas, causando uma morte lenta, tem a ressonância que o cancer hoje. Naamã tinha tudo- riqueza, força atlética, clamor popular- contudo, embaixo disto tudo, ele estava, literalmente, caindo aos pedaços.

Sucesso, riqueza e poder supostamente pode fazer você num pessoa “por dentro”, admitido nos círculos sociais mais exclusivos. Contudo, a doença de Naamã, fez dele um alienado, todo seu sucesso era inútil, porque não poderiam impedir alienação social e seu desespero emocional. A história de Naamã funciona como uma parábola. Muitas pessoas procuram o sucesso como um caminho para se sentirem por dentro, acabam ficando de certa forma, estranhos, alheios. Acreditam que o sucesso trará a aprovação das pessoas e pessoal, contudo, a lepra de Naamã mostra que o sucesso não pode trazer a satisfação que procuramos.

 

Procurando nos lugares errados.

A mulher de Naamã e sua escrava disseram a ele sobre o grande profeta de Israel, desesperado pela sua condição, Naamã foi para lá em busca da sua cura.

sábado, julho 17, 2010

Tim Keller: Deuses Falsificados

Voltando a ler Counterfeit Gods do Tim Keller, no capítulo 3- intitulado de MONEY CHANGES EVERYTHING – O dinheiro muda tudo. A partir da história de Zaqueu, o autor coloca como o dinheiro pode ser um ídolo em nossa vida e qual  é a única maneira que ele pode deixar de sê-lo.

A partir de Lucas 16:13-15, Keller coloca que:

De acordo com a Bíblia, idólatras fazer três coisas com seus ídolos.  Eles amam eles, confiam neles e obedecem a eles. Os amantes do dinheiro são aqueles que acham a si mesmos fantasiando e em devaneios sobre novas formas de fazer dinheiro, novas coisas para comprar, e olham com inveja para aqueles que tem mais que eles. Os confiadores no dinheiro sentem que eles tem controle sobre suas vidas e estão seguros e salvos por causa da suas riquezas. Idolatria também nos faz “servos do dinheiro”. Tal como nós servimos nossos reis terrenos e juízes, também nós vendemos nossas almas aos nossos ídolos. Porque nós olhamos para eles atrás de nossa significância (amor) e segurança (confiança) que nós teríamos com eles, então nós levamos a nossa vida para servi-los, e essencialmente, obedece-los. (p. 57)

 

Sobre Zaqueu, tendo como base Lucas 19:3-7, a respeito da escalada na árvore de Zaqueu, Keller aponta que:

“Nós devemos apreciar a significãncia disto. Nas culturas tradicionais, não é liberdade e direito que importam, mas, honra e dignidade. Para qualquer homem crescido subir em cima de uma árvore era se expor ao ridículo. (p.59)

 

Zaqueu não se aproxima de Jesus com orgulho, mas com humildade. Ele se coloca diante de Cristo não com seus bens e sua dignidade na sociedade, ao invés, ele coloca tudo isto de lado,  ele se dispõe a se expor ao ridículo, tudo para ter uma visão de Jesus.

Keller coloca que quando Zaqueu viu que Jesus escolheu a pessoa menos virtuosa na multidão- ele mesmo- para um relacionamento pessoal, toda a sua compreenssão espiritual começou a transformar-se, ele começou a entender o que  a salvação de Deus é dada pela graça, não através de esforços morais ou perfomance. Esse entendimento foi um relâmpago na vida dele, ele deu boas vindas a Jesus com alegria.

Graça e dinheiro.

levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão. Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido Lc. 19:8-10

 

Há duas promessas memoráveis aqui:

Primeiro, ele deu 50 por cento para os pobres, o que é bem além dos 10 por cento do dízimo. O coração dele foi afetado, desde de que ele soube que a salvação não vinha através da lei, mas da graça, ele não queria cumprir a letra da lei, mas ir além dela.

Keller relata que há muitos cristãos que perguntam a ele sobre o dízimo, falando que ele está previsto apenas no Velho Testamento e o Novo não diz nada a respeito. Eles perguntam para ele, em regra, o seguinte: “Você não acha que agora, no Novo Testamento, os crentes são exigidos absolutamente em dar 10 por cento, acredita?” Ele diz que balança a cabeça e diz que não, e eles mostram um certo alívio. Mas, então, rapidamente, Keller adiciona:”Eu vou dizer para você por que você não vê o dízimo claramente exposto no Novo Testamento. Pense. Nós temos recebido mais revelação de Deus, verdade e graça que os crentes do Velho Testamento, ou menos?”. Para esta pergunta, usualmente, os crentes ficam num silêncio desconfortável. então, o pastor Keller prossegue:"Somos mais devedores da graça do que eles eram antes, ou menos? Jesus apenas dizimou sua vida e seu sangue para nos salvar ou ele entregou tudo?”. Após isto, Timothy Keller conclui que o dízimo é um padrão mínimo para crente cristão, nós não podemos ofertar menos dos nossos ganhos do que aqueles que tinham muito menos entendimento do que Deus faria para salvá-los.

A segunda promessa de Zaqueu não tem muito a ver com caridade ou misericórdia, mas com justiça.  A lei mosaica obrigava a restituição em caso de trapaça, Lv. 5:16 e Nm 5:7, em torno de 20 por cento,mas, ele foi além deste patamar, se obrigando a restituir em 300 por cento.

Em resposta a estas promessas, Jesus diz que salvação chegou a esta casa, fique atento que Jesus não diz se você fizer isto mesmo, você será salvo.  A salvação de Deus não vem em resposta a uma vida transformada, é justamente o contrário que ocorre, a vida transformada é uma resposta para a salvação, ofertada livremente.

“Se a salvação fosse conseguida de alguma forma através de uma obediência a um código moral, então a questão de Zaqueu teria sido “Quanto DEVO dar?”. Contudo, estas promessas são respostas à generosa graça, então sua questão foi “Quanto POSSO dar?”.  (p. 63)

Agora, a segurança e identidade de Zaqueu estavam em Jesus, ele era o seu salvador e não mais o seu dinheiro. A graça de Deus transformou sua atitude para com sua riqueza.

 

 

A graça e os ídolos profundos.

 

O pecado dentro dos nossos corações afeta nossas motivações, nos levando a tornarmos idolátras. O dinheiro é apenas uma manifestação superficial de algo mais profundo que existe de cada um de nós, ou como Keller coloca um “ídolo de superfície”.

"Este é o porquê que os ídolos não podem ser lidados apenas com a simples eliminação dos ídolos de supefície tais como o dinheiro ou sexo. Nós podemos olhar para eles e dizer, “eu preciso dimunuir isto na minha vida. Eu não devo deixar isto me levar. Eu tenho que parar com isto”. Apelos diretos como estes não funcionam porque os ídolos profundos devem ser lidados no nível do coração. Há apenas uma única forma de transformar no nível do coração e isto é através da fé no evangelho” p. 66

 

A pobreza de Cristo

Keller nos leva a outro texto, 2 Coríntios 8 e 9, onde Paulo pede a igreja para dar aos pobres. Ele ressalta que Paulo não enfrenta o problema, da forma : eu sou apóstolo, façam isto. Ao invés disto, Paulo busca a genuidade do amor,

Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela sua pobreza enriquecêsseis 2Co. 8:9

Paulo não está exortando a igreja a deixar de ser gananciosa ou ser mais generosa, ele está recapitulando o evangelho.  Paulo está dizendo que Jesus deixou todo seu tesouro no paraíso, para ser seu tesouro- para um povo que era seu tesouro – 1Pe 2:9-10-. Quando você vê ele morrendo para fazer de você seu tesouro, ele está fazendo você dele.  O amor de Jesus nos dá um estatus memorável, um que o dinheiro não pode comprar. A fé no evangelho reestrutura nossas motivações, nossa compreensão de si mesmos, e identidade, nossa visão de mundo. Um comportamento complacente com regras sem uma completa mudança de coração será superficial e fugaz.

quinta-feira, julho 15, 2010

Deleuze: Hume.


"A psicologia do espiríto é impossível; ela não é passível de constituição, pois não pode encontrar em seu objeto em a constância nem a universalidade necessárias; somente uma psicologia das afecções pode constituir a verdadeira ciência dos homens"

Esse efeito da associação vai manifestar-se sob três formas ( 16 ). Ou a idéia apodera-se do papel que a torna capaz de representar todas as idéias às quais ela é associada por semelhança na imaginação: idéia geral. Ou a união das idéias pelo espírito adquire uma regularidade que ela não tinha, posto que “a natureza, de algum modo, indicaria a cada um as idéias simples mais apropriadas para se unirem em uma idéia complexa”( 17 ): substância e modo. Ou então uma idéia introduz nele uma outra idéia ( 18 ): relação (❋). Nos três casos, o efeito da associação é a cômoda passagem do espírito de uma idéia à outra; a essência da [7] relação é a transição fácil ( 19 ). O espírito, devindo natureza, tem tendência.


EMPIRISMO E SUBJETIVIDADE
Ensaio sobre a natureza humana segundo Hume
Acabou-se a magia do Kindle..

a chama dormiu acessa, acordou borrada.

O dinheiro, as expectativas, as desilusões da literatura foram-se embora

O Kindle agora é apenas mais um dos cacos.

Um monte ah! se eu não tivesse.....ou tivessee...

Anthony Burguess:99 romances


A good novel contrives, nevertheless, somehow to trace a parabola. It is not merely a slice of life. It is life delicately moulded into a shape.


The characters of an art novel resist the structure which their creators try to impose on them; they want to go their own way.

domingo, julho 11, 2010

MERE CHURCHIANITY

"We don't see that the powerful changes that happen in the life of a disciple never come from the disciple working hard at doing anything.  They come from arriving at a place where Jesus is everything, and we are simply overwhelmed with the gift.  Sometimes it seems as if God loves us too much.  His love goes far beyond our ability to stop being moral, religious, obedient, and victorious, and we just collapse in his arms.


Out of the gospel that Jesus is the only Mediator between God and humanity comes a Christian life that looks like Jesus, a life Jesus would recognize.  It's a life that looks like Jesus, because Jesus does everything, and all we do is accept his gift.  And to accept his gift, we have to give up trying to be Jesus."

 


Michael Spencer, Mere Churchianity: Finding Your Way Back to Jesus Shaped Spirituality, page 138

A Bíblia na igreja e na cultura

 

Em nossa igreja, nós sempre encorajamos nossos membros a levar o evangelho para a cultura em nós vivemos, seja através do trabalho para restaurar a composição social das nossas comunidades, ou trazendo a cosmovisão cristã para o nosso espaço de trabalho. Há críticos, contudo, que dizem que nõs devemos, invés disto, simplesmente trabalhar e tratar de construir nossa igreja e evitar qualquer esforço para mudar ou renovar a cultura. Eu gostaria de oferecer algumas passagens biblicas que serviram de pontos iniciais para a aproximação da igreja Redeemer neste assunto.

Amando nosso próximo.

Primeiro, a parábola de Jesus sobre o bom samaritano enxina que nós não apenas devemos amar nossos irmãos e irmãs em Cristo como também nosso próximo (Lucas 10:25-37). Nos dias de Jesus, as idéias de próximo e irmão eram a mesma coisa. Amar e suportar era demonstrado apenas para aqueles da mesma tribo, raça ou fé. Criando a parábola em torno de duas figuras principais, o Judeu e o Samaritano, contudo, Jesus  trouxe uma novidade, o fato que os cristãos devem considerar quaquer um, especialmente aqueles de outras raças e classes sociais, como próximos, mesmo se eles estiverem em outra fé.

Paulo segue este comando para ser bom com todas as pessoas, especialmente aqueles que pertencem a familia da fé (Gl. 6:10). Aqui Paulo claramente fala aos crentes para servirem os interesses dos seus próximos não crentes. A palavra bom inclui a doação de coisas materiais ( como na parábola do bom samaritano) out of love and desire for a person’s well-being in every way.
Thus Paul calls Christians to consider and work for the common good of their neighborhood and city.
It is no wonder that Christians seeking to obey Christ and Paul over the centuries have worked to abolish

Ralph Ellison: Invisible Man

Invisible Man de Ralph Ellison é a história de um rapaz preto que o leitor nunca aprenderá o nome,
"Perhaps you'll think it strange that an invisible man should need light, desire light, love light. But maybe it is exactly because I am invisible. Light confirms my reality, gives birth to my form"

"Without light I am not only invisible, but formless as well; and to be unaware of one's form is to live a death. I myself, after existing some twenty years, did not become alive until I discovered my invisibility"

domingo, julho 04, 2010

Abraão e os nossos Isaques.

muitas vezes chegamos aos cultos, buscando que Deus realize nossos sonhos, desejos, vontades, algo que transforme a nossa vida. Contudo, nem sempre nos perguntamos sobre aquilo que Deus deseja que façamos, ou como devemos viver a nossa vida. Ou, realizarmos não nosso desejo, mas aquilo que Deus deseja.

Estamos dispostos a isto?

A realizar o desejo do coração de Deus, de Ele ser a única fonte de satisfação, paz, segurança e prosperidade em nossa vida.

Buscamos as coisas para preencher estes espaços, e por vezes, as bênçãos que eles nos dá se tornam estes pontos de salvação, paz, segurança e prosperidade.

Olhando para a história de Abraão podemos entender claramente qual é o papel que Deus deseja ser em nossa vida e qual o papel que as bênçãos que Deus nos dá devem ocupar e podem ocupar.

Quando Deus fez uma promessa a Abraão, em Genesis 12:1-3, Ele pediu a Abraão que saísse da sua terra, do laço familiar, enfim, de tudo que lhe favorável e confortável, fosse para um lugar que Deus o mandaria, sem mesmo saber onde era conforme lemos em Hebres 11:8.

Deus chamou Abraão para abandonar tudo aquilo que poderia significar para ele segurança, prosperidade e paz. Como com Abraão, Deus quer nos tirar da nossa zona de conforto, e trazer novas coisas para nós, vindas dele e não de nós.

Um exemplo disto é que mesmo quando Sara era estéril, incapaz de conceber um filho, Deus prometeu ao casal uma semente, um herdeiro, como está em Gn 12:7.

?Após 25 anos, depois de esperar muito tendo já Sara e Abraão, 90 e 100 anos, nascera Isaque, Abraão tinha sacrificado, tantos anos e tantas coisas por aquilo e finalmente parece que Deus atendera aos seus pedidos, o nome que colocou em Isaque diz tudo: o Senhor nos fez rir.

Parece que acaba assim a história, Deus promete, após alguns anos, Deus cumpri sua promessa. contudo, o final da história ainda está longe.

Em Genesis 22:2- Deus mais uma vez fala com Abraão e pede que ele sacrifique Isaque, note que Deus não chama o menino simplesmente pelo nome – ele diz AQUELE A QUEM AMAS- Isaque tinha se tornado tudo para Abraão, Deus não está dizendo que ele não deveria amar seu filho, mas que ele não deveria ter feito de seu filho –tudo. Por vezes, nós recebemos algo do Senhor, e acabamos transferindo todo nosso significado, toda nossa esperança, toda a nossa segurança, não mais para Deus, para aquilo que Deus colocou em nossa vida.

Por exemplo, com meu emprego posso ficar seguro na vida, ter paz. A com a minha esposa agora, posso ficar feliz pois sou que sou amado, ser esposo dela é tudo que sempre quis, é tudo que preciso. Isto acaba por sufocar a bênção que Deus nos dá, e o que era para ser bênção acaba se transformando em um ídolo em nossa vida.

Abraão precisava aprender como nós, que não são as bênçãos que Deus nos dá a garantia de paz, prosperidade, segurança em nossa vida, mas o próprio Deus.

Naquele tempo, ter um filho significava a própria família em si, era a continuação da herança, do patrimônio, a segurança na velhice- não havia aposentadoria naquela era-. significava a perepetuaão do nome, da família, um lugar na sociedade.

Quando Deus disse na libertação de Israel do Egito que a família pertencia a Ele – ele disse que os primogenitos eram dele.

Isaque assim tinha se tornado uma idolatria para Abraão- como para nós, as bençãos que recebemos de Deus podem se tornar fontes de segurança, paz, prosperidade maiores que o próprio Deus.

Para evitarmos isto, precisamos entender que as promessas de Deus em nossa vida, não são cumpridas por nós, por aquilo que recebemos, mas pelo próprio Deus. Deus é que provê o cordeiro que substitui Isaque, Deus deve ser sempre a fonte de paz, prosperidade e segurança em nossa vida.

Timothy Keller: Counterfeit Gods

 

O livro do Dr. Timothy Keller tem por objetivo desvendar as promessas vazias do  Dinheiro, Sexo e Poder como Deuses Falsificados e chegar à única esperança que importa.

Introdução : A Fábrica de Ídolos.

Dr. Tim Keller identifica o coração humano como a fábrica de ídolos.

Citando Alexis de Tocquerville, ele começa a analisar a crise economica de 2008, ele diz:

 

Americanos acreditam que a prosperidade pode preencher sua necessidade de felicidade, mas tal é esperança é ilusória, porque, como Tocqueville acrescentou, a incompletas alegrias deste mundo nunca vão satisfazer o coração humano. Esta estranha melancolia manifesta a si mesma em diversas formas, mas sempre deixa o mesmo desespero quando não se acha o que satisfaz.Há uma diferença entre sofrimento e desespero. Sofrimento é a dor para qual há fontes de consolação. Sofrimento vem da perca de algo bom em meio a outros, se você experimentou um revés na carreira, você encontra conforto na sua família para passar por isto. Desespero, contudo, é inconsolável, porque isso vem da perca da coisa absoluta. Quando você perde a coisa absoluta que é a fonte de esperança ou significado para sua vida, então não há fontes alternativas para se colocar no lugar. Isso arrebenta seu espírito. (pag. X)

 

Para as pessoas hoje a palavra idolatria está ligada a fotografias de pessoas primitivas cultuando deuses em estátuas, no Novo Testamento há vários retratos disto, as cidades greco-romanos tinham cada uma sua deidade favorita, no Parthenon em Atenas, algumas delas estavam reunidas como Afrodite, deusa da beleza, Ares, deus da guerra, Artemis, deusa da fertilidade. A nossa cultura de hoje não é tão diferente assim quanto imaginamos dessa cultura antiga, toda cultuar é dominada por certos tipos de ídolos, cada uma tem seus altares, sacerdotes Hoje não podemos ter altares para adorar a Afrodite, mas muitas mulheres são levadas a depressão ou desordens alimentares em função de uma louca obssessão com a a imagem corporal.

Qualquer coisa na vida pode se tornar um ídolo:

Momentos culturais como o que estamos vivendo agora nos providencia uma oportunidade. Muitas pessoas estão agora mais abertas para os avisos da Bíblia sobre dinheiro, que ele pode se transformar em muito mais que só dinheiro. Ele se transforma em algo com poder de alterar uma vida, um  deus formado culturalmente, um ídolo que quebra os corações de seus adoradores. As mas noticias é que nós estamos tão aficionados no problema da avareza, que nós tendemos a ver o problema como algo das pessoas ricas, e não nos atentamos para a verdade mais profunda. Qualquer coisa pode ser um ídolo, e tudo foi um ídolo. pág. XVI

 

CAPÍTULO 1- ALL YOU´VE EVER WANTED- (Tudo que você quis).

O autor começa falando sobre que muitas pesssoas buscam em suas vidas fazer com que os sonhos do seu coração se tornem verdades, afinal a vida não é uma busca da felicidade. Nós buscamos sem cessar jeitos, caminhos para ter as coisas que desejamos, nos sacrificamos para alcançá-las. Contudo, não conseguimos imaginar que ter aquilo que nosso coração deseja pode ser a pior coisa que acontecerá conosco.

Por que quando conseguimos o desejo mais profundo do nosso coração isto pode se tornar um desastre? O autor responde citando o apóstolo Paulo, em Romanos 1:24, colocando que a pior coisa que Deus pode fazer conosco é nos entregar aos desejo dos nossos corações: “Deus os entregou às concupiscências de seus corações”. Isto é a pior coisa que nos pode acontecer porque o nosso coração transforma estes desejos em ídolos, no mesmo capítulo Paulo sumariza a história da raça humana em uma única sentença:

Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente Rm 1:25

Todos os seres humanos precisam viver por algo, algo deve capturar nossa imaginação, a esperança e desejo mais fundamental do nosso coração. Contudo, sem a intervenção do Espírito Santo, este objeto nunca será Deus em si mesmo. Se olhamos para as coisas criadas para nos darem o significado, a esperança, e felicidade que apenas Deus pode nos dar, isto irá eventualmente falhar e quebrar nosso coração.

O autor coloca que a história da Bíblia também poderia ser colocada como a rejeição da idolatria, exemplificando que a Bíblia está recheada de histórias que mostram de formas inumeráveis e os efeitos devastadores da adoração idolátrica. Cada deus falsificado que o coração pode escolher- seja amor, dinheiro, sucesso ou poder- há uma poderosa narrativa biblica que explana como este tipo particular de idolatria opera em nossos corações.

Tim Keller começa pelo patriarca Abraão, buscando demonstrar como o desejo mais profundo do coração deste herói bíblico poderia ter se tornardo um objeto de idolatria.

Deus chamou Abraão para deixar tudo aquilo que lhe era familiar- seus amigos, a maioria da sua família, e tudo que ele acreditava que significasse segurança, prosperidade, paz- e ir para o deserto, incerto do seu destino. Ele foi convidado a desistir, pelo amor a Deus, de quase toda a esperança mundana e coisas que o coração humano deseja. (pág. 5)