sexta-feira, novembro 30, 2007

Neve de Orhan Pamuk

Acabei de ler Neve de Pamuk- um ano após o Nobel de 2006, meses após sua compra. Neve é mais um dos livros orientais que baixaram em nosso mercado literário.

A historia trata de Ka, poeta turco exilado em Frankfurt, que volta a sua terra natal de infância, um lugar chamado Kars ( kar em turco quer dizer neve). Impedido de voltar a Istambul, por causa de uma nevasca, Ka se vê envolvido em sentimentos que não tinha mais: poesia- volta a escrever, romance- se envolve com Ipek e politica- se envolve numa pequena e prosaica revolução militar para impedir a ascensao de um governo religioso na eleição local.

A historia mostra as contradições de uma Turquia que pretende e não pretende ser Europa, do amor e da paixão, da poesia como arte ou não presente hoje, e da tensão interna entre secularismo e islamismo mesmo nas sociedades ocidentais- um exemplo é que todos os mais ferrenhos revolucionários puristas islâmicos do livro fumam e bebem- uma ofensa ao padrão puritano cristão.

Ka, um poeta ateu, que escreve poesia graças a epifanias com a neve, se vê na tensão de acreditar em Deus ou não, mas qual Deus? O Europeu, o Turco ou do Islã?

John Upidke em um artigo para a New Yorker:

Pamuk’s conscience-ridden and carefully wrought novel, tonic in its scope, candor, and humor, does not incite us, even in our imaginations, to overthrow existing conditions in Turkey. When the Kars coup occurs, the enthusiasm among unemployed youths leads to the dry authorial comment “They seemed to think that last night’s events marked the beginning of a new age, in which immorality and unemployment would no longer be tolerated; it was as if they thought the army had stepped in expressly to find them jobs.” Such realistic fatalism, and the poet’s duty “to hear the hidden music that is the source of all art” and to believe that “life had a secret geometry,” drains “Snow” ’s ideological contests of blood.

Outra grande resenha que encontrei sobre Neve é do NY Review of Books, chamada de TheSchizophrenic Sufi de Chirstian Caryl

Human beliefs are not just rich with multiplicity; in Pamuk's world they are also in constant flux. Some of the novel's Islamists, like Ipek's former husband, began as Marxists; the same applies to a few of the right-wingers as well. By the end of the novel several of the Islamic radicals have abandoned political activity altogether, joining earlier generations' utopians among the ranks of the resigned. Moreover, ideological labels that initially seem so clear turn fuzzy under scrutiny. The more that Pamuk's characters obsess over the binary opposition of East and West, for example, the more they undermine the very notion. The Westernizers are by no means all "atheists." Blue has been weaned not only on the Koran and the twentieth-century radical Islamist theorist Sayid Qutb, but also on somewhat dated Western traditions of third-world liberation ideology and Hollywood movies. During the "secret meeting" he turns out to be the only one who's been to Europe.

For his part, Ka says, "I wanted to be a Westerner and a believer." It never works, of course, for Ka can't really commit himself to either. Nor does love offer much of a panacea; it is yet another brand of belief, predicated on trust between two people who can never know everything about each other. When Sunay's henchmen try to enlist Ka as an ally in their hunt for Blue, they reveal, along the way, that Ipek once had an affair with the alleged terrorist mastermind. Ka will betray Blue in turn—and lose Ipek forever as a result. Ejected from Kars by the coup plotters, he returns to Germany and lives there in solitude for another few years until he is killed by an assassin—apparently in retaliation for informing on the Islamist leader. We will never know the precise circumstances of the matter, of course. But one thing is eminently clear. Here, too, Ka has failed to become a believer.

But perhaps Ka can find posthumous redemption, of a sort, in art—through the mystical unity, without religion, he has found in his own work called Snow. Toward the end of the novel Pamuk arrives in Kars on a quest of his own: to recover at least something of his dead friend's work, and to write a book memorializing it. Pamuk has already searched Ka's belongings in Frankfurt and found no trace of the little green notebook of poems, which appears to have been lost forever—probably stolen by the killer. In Kars Pamuk hopes to reconstruct the genesis of the poems, and possibly even find a recording of Ka's reading of one of the poems in the local TV archives. He ends up retracing Ka's steps, visiting the scenes of the events we know so well from what has gone before.

Along the way he encounters many of the same talismanic details that once affected Ka: the black dog, a poster warning that suicide is an offense against Islam, little wheels of "famous Kars cheese." Pamuk writes, "That morning, as I walked the streets of Kars, talking to the same people Ka had talked to, sitting in the same teahouses, there had been many moments when I almost felt I was Ka." And just like Ka, he comes together with Ipek for the first time over walnut pastries in the New Life Café—where Pamuk is similarly "undone by her beauty" and falls in love, to the same futile end. He leaves by train, just as his predecessor has done—but not before the locals have had a chance to warn us readers not to trust the author's portrayal of them.

As we find ourselves retracing Ka's steps, in more or less reverse order, we realize that we are in a palindrome, a crystalline mirroring. The symmetry may be only half-hidden, but it is all the more singular for that. We may not know what axis of the snowflake we now find ourselves on. But the sense remains that somehow the mystical unity sought by Ka and traced and evoked by Pamuk has survived the murder of the poet, and the loss of his poems; while, along the way, Pamuk the novelist illuminates his country's quandaries of identity, and the crisis of confidence between Islam and the West, with an imaginative depth we had not known before.

segunda-feira, novembro 26, 2007

Eu fui roubado na - satanás.

Com esta e outras frases assinadas por satanás, tais como: Lifetv... tem me roubado, está me matando, etc são a campanha publicitária da igreja on line . Logo, logo a moda chega aqui.

quinta-feira, novembro 22, 2007

Mímesis por Erich Auerbach

Vasculhando meus cadernos universitários, achei alguns trechos copiados clássico livro de Auerbach, Mímesis sobre a realidade da literatura ocidental.

AUERBACH, Erich Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental São Paulo: Perspectiva, 1987.

“Mas um tal processo subjetivo- perspectivista, que cria um primeiro e um segundo plano, de modo que o presente se abra na direção das profundezas do passado, é totalmente estranho ao estilo homérico; ele só conhece o primeiro plano, só um presente uniformemente iluminado, uniformemente objetivo; e assim, a digressão começa só dois versos, depois, quando Euricleia já descobriu a cicatriz, quando a possibilidade de ordenação em perspectiva não mais existe, e a estória da cicatriz se torna um presente independente e pleno” pág. 5.

“A pretensão da verdade da Bíblia é não só muito mais urgente que a de Homero, mas chega a ser tirânica, exclui qualquer outra pretensão. O mundo dos relatos das Sagradas Escrituras não se contenta com a pretensão de ser uma realidade historicamente verdadeira- pretende ser o único mundo verdadeiro, destinado ao domínio exclusivo” pág. 11

“Para a literatura realista antiga, a sociedade não existe como problema histórico, mas na melhor das hipóteses, como problema moral, e, alem do mais, o moralismo se refere muito mais ao individuo que a sociedade” pág. 27

Foreign Fighters in Iraq Are Tied to Allies of U.S.

NY Times

BAGHDAD — Saudi Arabia and Libya, both considered allies by the United States in its fight against terrorism, were the source of about 60 percent of the foreign fighters who came to Iraq in the past year to serve as suicide bombers or to facilitate other attacks, according to senior American military officials.


e records also underscore how the insurgency in Iraq remains both overwhelmingly Iraqi and Sunni. American officials now estimate that the flow of foreign fighters was 80 to 110 per month during the first half of this year and about 60 per month during the summer. The numbers fell sharply in October to no more than 40, partly as a result of the Sinjar raid, the American officials say.

Saudis accounted for the largest number of fighters listed on the records by far — 305, or 41 percent — American intelligence officers found as they combed through documents and computers in the weeks after the raid. The data show that despite increased efforts by Saudi Arabia to clamp down on would-be terrorists since Sept. 11, 2001, when 15 of the 19 hijackers were Saudi, some Saudi fighters are still getting through.

Libyans accounted for 137 foreign fighters, or 18 percent of the total, the senior American military officials said. They discussed the raid with the stipulation that they not be named because of the delicate nature of the issue.


One senior American diplomat said the Saudi government had “taken important steps to interdict individuals, particularly military-aged males with one-way tickets.” He said those efforts had helped cause an “appreciable decrease in the flow of foreign terrorists and suicide bombers.” But he added that still more work remained “to cut off malign financing from private sources within the kingdom.”

American officials cite a government program on Saudi television in which a would-be suicide bomber who survived his attack urges others not to travel to Iraq. The officials were also encouraged in October when the grand mufti of Saudi Arabia, Sheik Abdulaziz al-Asheik, condemned “mischievous parties” who send young Saudis abroad to carry out “heinous acts which have no association with Islam whatsoever.”

Armed with information from the raid, American officials say they have used military, law enforcement and diplomatic channels to put pressure on the countries named as homes to large numbers of fighters. They have also shared information with these countries on 300 more men who the records showed were being recruited to fight in Iraq.

Surrounded by desolate prairie and desert, Sinjar has long been a way station for foreign fighters. The insurgent cell raided by American troops was believed to have been smuggling up to 90 percent of all foreign fighters into Iraq, military officials say.

The raid happened in the predawn hours of Sept. 11, when American forces acting on a tip surrounded some tents six miles from the Syrian border. A fierce firefight killed six men outside, and two more were killed when one of them detonated a suicide vest inside a tent, military officials said. All were leaders of the insurgent smuggling cell, including one prominent Al Qaeda in Mesopotamia commander known as Muthanna, they said.

In addition to $18,000 in cash and assorted weapons, troops found five terabytes of data that included detailed questionnaires filled out by incoming fighters. Background information on more than 900 fighters was found, or about 750 after eliminating duplicates and questionnaires that were mostly incomplete.

According to the rosters found in the raid, the third-largest source of foreign fighters was Yemen, with 68. There were 64 from Algeria, 50 from Morocco, 38 from Tunisia, 14 from Jordan, 6 from Turkey and 2 from Egypt.

Most of the fighters smuggled by the cell were believed to have flown into Damascus Airport, and the rest came into Syria overland through Jordan, the officials said.

In some cases, one senior American military official said, Syrian authorities captured fighters and released them after determining they were not a threat to the Syrian government. Syria has made some recent efforts to turn back or detain suspected foreign fighters bound for Iraq, he said, adding, “The key word is ‘some.’”

terça-feira, novembro 20, 2007

sábado, novembro 17, 2007

A resposta cristã ao "mistério da iniqüidade"

Por Ricardo Barbosa
Fonte: Revista Ultimato

A revista Época trouxe uma pequena entrevista com o americano Alvin Toffler, considerado uma espécie de profeta da modernidade. Seus livros O Choque do Futuro e A Terceira Onda, anteciparam as grandes mudanças do final do século 20. Nessa entrevista sobre seu novo livro, a Riqueza Revolucionária, ele fala da importância de se investir em infra-estrutura e considera o investimento em educação prioritário.

Bem, todos sabemos do valor fundamental da educação apesar da falta de vontade política e das verbas precárias do governo; mas sabemos também que investir em educação hoje não é o mesmo que investir na formação da pessoa ou na construção de um caráter. Grande parte dos escândalos que temos presenciado tem como protagonistas gente instruída, com passagem pelas melhores escolas e universidades. O que leva juízes, políticos e empresários com bons salários e boa formação acadêmica a cometer atos de corrupção? O que leva jovens de classe média ao consumo de drogas e álcool e a atos de violência e vandalismo? Por que ainda existe tanta violência doméstica e abuso sexual nas classes mais altas? Neste contexto o problema certamente não está na falta de escolas ou da educação como instrução acadêmica, mas na ausência de uma formação integral do ser humano.

Ao falar sobre o “mistério da iniqüidade”, Paulo descreve a apostasia como uma rebelião “a tudo que se chama Deus, ou objeto de culto” (2Ts 2.4). Um investimento em educação ou mesmo em infra-estrutura não será suficiente para conter o avanço do “mistério da iniqüidade”. O que está por trás das graves crises que a humanidade vem sofrendo não é fruto apenas da falta de escolas ou de investimentos em infra-estrutura, mas de um processo de exclusão de Deus e de sua verdade, bem como da irrelevância e do silêncio da igreja diante dos grandes temas que envolvem o ser humano.

Em suas Confissões, Agostinho declara que “fizeste-nos para ti, ó Deus, e nossa alma não encontrará repouso enquanto não descansar em ti”. Talvez um dos mistérios centrais de nossa humanidade esteja no fato de que fomos criados por Deus e para Deus, e que somente Deus, por meio da humanidade do seu Filho Jesus Cristo e da presença do seu reino, pode nos devolver o significado de sermos verdadeiramente humanos.

A resposta dos cristãos ao mistério da iniqüidade ou da apostasia é o seu compromisso radical com o chamado de Jesus Cristo. Dietrich Bonhoeffer, pouco antes de sua morte em 1945 num campo de concentração, prevendo os rumos da igreja na Europa, escreveu a um amigo: “Durante estes anos, a igreja vem lutando pela sua autopreservação, como se isto fosse um fim em si mesmo e, conseqüentemente perdeu a oportunidade de pronunciar uma palavra de reconciliação para a humanidade e para o mundo como um todo. Por isso, nossa linguagem tradicional se tornará inevitavelmente impotente e condenada ao silêncio; o cristianismo ficará confinado às orações e à prática de boas obras em relação a nossos irmãos e irmãs. O pensamento cristão, sua palavra e sua organização, precisam renascer a partir dessa oração e dessas obras… Será uma nova linguagem… a linguagem de uma nova justiça e verdade que proclama a paz de Deus com os homens e a chegada do seu reino”.

O reconhecimento de que o ser humano, por mais que negue e rejeite o evangelho de Cristo, depende dele para sua redenção e o resgate de sua dignidade, deve nos levar a priorizar sua proclamação como afirmação da verdade e nos conscientizar de que a educação requer, em última instância, um encontro com Deus.

O mistério da iniqüidade é hoje a reação da mentalidade secularizada, que se opõe a Deus e a tudo o que se refere a Deus, numa clara rebelião aos propósitos do Criador, levando as pessoas a dar mais crédito à mentira do que à verdade. O chamado de Cristo nos leva a acolher a verdade em amor e a proclamá-la com clareza e firmeza. A recomendação de Paulo aos cristãos diante da apostasia é para que permaneçam firmes na fé e na salvação em Cristo, guardando as tradições que foram ensinadas pelos apóstolos, certos de que Deus, em seu eterno amor, nos consola e nos confirma em toda boa obra e palavra.

• Ricardo Barbosa de Sousa é pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto e coordenador do Centro Cristão de Estudos, em Brasília. É autor de Janelas para a Vida e O Caminho do Coração

sexta-feira, novembro 16, 2007

David Brainerd e Nozes

"Há muitos com que eu possa falar de religião, mas, que tristeza, acho poucos com que eu possa conversar de forma religiosa; mas, bendito seja o Senhor! há alguns que gostam de alimentar-se da castanha da noz e não de sua casca" David Brainerd in John Piper, Sorriso Escondido de Deus, p. 156

Longe de mim, perto de Tudo.

"Somos aprovados como servos de Deus, não por causa do sucesso, mas pela nosa fidelidade na vida diária. Estabelecemos como alvo ter suceso no trabalho cristão; mas o alvo correto é manifestar a glória de Deus na vida humana, é viver, sob as limitações humanas, a vida que está oculta juntamente com Cristo em Deus. É no cenário das relações humanas que a vida ideal, a de Deus, deve ser vivida" Oswald Chambers, Tudo para Ele, 16/11.

Em meio ao trafego de emoções e veículos, quando tudo mais perde o valor, descobrimos que nosso umbigo não é o mundo, há mais além de nós mesmos, como diz John Piper a grande lição de Cowper é viver o outro, olhar para além de nós mesmos. Porque se mergulharmos em nossos sentimentos e anseios, a única vontade será o entorpecimento da nossa miséria.

Assim, os esforços são inúteis quando se trata da vida cristã, ela é impossível para mim. Somente pode ser vivida quando deixo de lado os meus supremos interesses, vontades e desejos, e descubro que é uma entrega.

Resta o desafio da descoberta de que a negação de mim mesmo é a realização plena individual em Cristo, não se trata de possessão ou magia, mas de uma realidade que não será a negação da realidade em si, mas a descoberta que a glória de Deus se manifesta em nossa fraqueza quando nos esquecemos dela e descobrimos a fortaleza que é Deus.

Uma dialética, uma contradição, uma superstição? A vida mais profunda que existe não está no meu estômago e nem em minha mente que não para, mas na contemplação do mundo e a visão nesta, da glória de Deus, enfim, um presente, uma graça que não começa em mim, vem com a brisa, com a revelação da voz de Deus no nada e no tudo que existe.

Ainda há uma fonte que vivifica tudo!

There is a fountain fill'd with blood,
Drawn from Emmanuel's veins;
And sinners, plunged beneath that flood,
Lose all their guilty stains.

The dying thief rejoiced to see
That fountain in his day;
And there have I, as vile as he,
Wash'd all my sins away.

Dear dying Lamb, Thy precious blood
Shall never lose its power,
Till all the ransom'd church of God
Be saved, to sin no more.

E'er since, by faith, I saw the stream
Thy flowing wounds supply,
Redeeming love has been my theme,
And shall be till I die.

Then in a nobler, sweeter song,
I'll sing Thy power to save;
When this poor lisping stammering tongue
Lies silent in the grave.

Lord, I believe Thou hast prepared
(Unworthy though I be)
For me a blood-bought free reward,
A golden harp for me!

'Tis strung and tuned for endless years,
And form'd by power divine,
To sound in God the Father's ears
No other name but Thine.

quinta-feira, novembro 15, 2007

Sofrimento e Soberania para John Bunyan

Sempre houve, como há hoje, pessoas que tentam resolver o problema do sofrimento, negando a soberania de Deus – isto é, o governo providencial de Deus sobre satanás, a natureza e o coração do homem. Mas é notável como muitos dos que defendem a doutrina da soberania de Deus sobre o sofrimento, têm sido os que mais sofreram e que mais encontram nesta doutrina o maior conforto e ajuda.

Bunyan estava entre estes. Em 1684, ele escreveu uma exposição bíblica para seu povo sofredor, baseada em 1Pe 4:19, “por isso, também aqueles que sofrem de acordo com a vontade de Deus devem entregar suas vidas ao fiel Criador e praticar o bem”. O livro foi intitulado Seasonable Counsel, or Advice o Sufferers. Ele toma a frase “ de acordo com a vontade de Deus” e expõe a soberania de Deus ali implícita para conforto de seu povo.

O que será feito não é o que os inimigos desejam nem o que decidiram, mas o que Deus deseja e o que ele determina...E, como nenhum inimigo pode trazer sofrimento sobre uma pessoa contrariamente à vontade de Deus, assim também ninguém pode se salvar das mãos dos inimigos quando Deus determinou entrega-lo para sua glória... como Jesus mostrou a Pedro “o tipo de morte com a qual Pedro iria glorificar a Deus” – Jo. 21:19. Sofreremos ou deixaremos de sofrer como lhe agrada. (p. 73)

( )


"Os santos são borrifados pela mão de Deus aqui e ali, como o sal é colocado na carne, para evitar que ela cheire mal. Eles são espalhados pelo mundo para temperar a terra; assim, da mesma forma, onde eles devem sofrer é também designado para uma melhor confirmação da verdade. Cristo disse que nenhum profeta deve morrer fora de Jerusalém- Lc. 13:33- Mas, por que...? Deus designou que devem sofrer ali. Assim, então, quem, quando e onde estão na vontade de Deus e, conseqüentemente, são designados por aquela vontade" (John Bunyan Seasonable Counsel in Piper p. 74)


"Existem coisas de Deus que podem ser observadas em um dia, e noutro não. Seu poder em sustentar alguns, sua ira em abandonar outros. O fazer com que arbustos fiquem firmes, enquanto permite que cedros caiam, o tornar tolice o conselho dos homens e fazer com que o diabo passe a perna em sai próprio, o conceder a sua presença ao seu povo e o abandonar seus inimigos nas trevas, o revelar a retidão dos corações dos seus santificados e a exposição da hipocrisia de outros, tudo isto são maravilhas espirituais operadas no dia de sua ira, do redemoinho e da tempestade... temos a tendência de irmos longe demais nos dias calmos, e pensarmos que estamos bem avançados, e bem mais fortes d que realmente descobrimos estar, quando o dia da provação bem sobre nós... não poderíamos viver sem tais mudanças da mão de Deus sobre nós. Nossa natureza carnal cresceria excessivamente, se não tivéssemos nossos invernos no tempo apropriado. Diz-se que em alguns paises as arvores não produzem fruto, pois não há inverno ali". (John Bunyan Seasonable Counsel in Piper p. 77)

Fonte: PIPER, John Sorriso Escondido de Deus Shedd Publicações

Quer saber tudo sobre Napoleão?

A vida de Napoleão é um dos grandes assuntos da humanidade, o número de páginas sobre sua vida só perde para Jesus Cristo, segundo Laurentino Gomes. Se você não é analfabeto em inglês e ainda não sabe nadica de nada sobre o imperador francês.

Ainda há uma esperança! É o Napoleon 101, um podcast da TPN sobre toda a vida de Napoleão que conta tudo sobre o grande imperador francês que iria ser o pai de toda Europa no caminho da razão.

À Espera dos Bárbaros- J.M. Coetzee

Os delírios da Razão de Estado criam inimigos, criam bichos em vez de gente, vamos nos atrofiando aos nossos sentidos e estômago, nada mais resta que uma visão pertubada e delirente do opressor miope de medo e do oprimido com raciocínio cego de pancada.

Numa época sem época, J.M. Coetzee escreve, na sua maneira visceral, um novel do nosso tempo antes do tempo, um romance do medo do outro e de nós mesmos quando viramos bicho.

Um juiz de aldeia em meio a uma uma invasão da metrópole para reprimir uma invasão dos bárbaros.


O cenário é um lugarejo poeirento na província ocidental de um certo Império. Um magistrado sem nome toca adiante sua rotina de funcionário correto a serviço de uma ordem que não lhe cabe questionar - recolhe impostos, dita sentenças e pouco se ocupa dos bárbaros maltrapilhos que perambulam a esmo pelo deserto escaldante. Nas horas vagas, abandona-se à melancolia e à escavação de ruínas próximas, cobertas pela areia. Seus dias de modorra moral são interrompidos pela chegada do coronel Joll, emissário de uma misteriosa Terceira Divisão de 'guardiães do Estado'. Especialista nas artes do 'interrogatório', Joll vem da capital para investigar um suposto movimento de sedição entre os bárbaros. Os rumores a respeito são mais que tênues, o que não impede Joll de torturar prisioneiros, disseminar a histeria xenófoba e silenciar dissidentes - entre os quais o Magistrado. 'À espera dos bárbaros' reitera as preocupações éticas que movem toda a prosa de J.M. Coetzee. O romance parte das encruzilhadas da população branca no apartheid sul-africano para construir uma profunda meditação sobre a natureza do poder absoluto, da censura, do compromisso e da moral em tempos difíceis.


O Estado de S. Paulo / Data: 7/5/2006
História de "bárbaros", sem engodo

Ficção do sul-africano John Maxwell Coetzee mina o humanismo original que já foi o melhor de nossas esperanças
Wilson Bueno

O Prêmio Nobel sul-africano, J M. Coetzee , 66 anos, único escritor de língua inglesa duas vezes agraciado também com o (importante) Booker Prize, está de volta às livrarias brasileiras, agora com a reedição de À Espera dos Bárbaros , livro que, lançado no País em 1984, ninguém soube ninguém viu, em mais uma destas pitorescas curiosidades editoriais que marcam a cena cultural tupiniquim. Necessária, muitas vezes, a chancela de láureas internacionais de relevo para que determinados artistas passem efetivamente a existir cá por estas plagas.

Não poderia ser diferente com os últimos títulos de Coetzee publicados no Brasil mas sobretudo com o oportuno relançamento de À Espera dos Bárbaros, soberbo romance de 1980, prova visível e concreta, diga-se logo, de que se a grande arte tem uma marca esta é a de sua olímpica atemporalidade. Atualíssimo, pertinente, e principalmente profético, trata-se de uma autêntica alegoria de nossa contemporaneidade.

Distinguido por todas as letras, creiam, pela "ambiência" do arrepiante e tumultuário início deste terceiro milênio, marcado a ferro e fogo pelo horror do inusitado e pelas repulsivas surpresas que à toda hora despencam sobre nossas cabeças, o romance de Coetzee é mais, bem mais que um romance. Trata-se, senhores, de uma fábula cruel, agudamente prenunciadora da barbárie civilizatória que permeia o nosso tempo e mina o propalado humanismo original que um dia foi o melhor de nossas esperanças.

Fiel herdeiro da tradição romanesca de nossa época e tributário dos titãs literários que fizeram, do século XX, o século dos mais radicalizados disturbamentos artísticos dos últimos tempos, não sem razão o doutorado que Coetzee realiza, com menos de 28 anos, na Universidade do Texas, EUA, versa sobre Samuel Beckett. Uma escrita que bate de frente com o engodo aventuresco de histórias, invariavelmente malcontadas, para abraçar, em oposição, o que na velha ars litteraria é bruxedo e ofício encantatório.

Metaficção por excelência, seja na série de obras centradas na impagável Elizabeth Costello, ou mesmo na cáustica alegoria deste À Espera dos Bárbaros, um livro, além de fundamental, necessário, que mais não seja, para a própria "vitalização" da quase sempre combalida arte da escrita. Como é da natureza de toda metaficção que se preze, agudiza o sentido ou os sentidos a que se propõe a literatura, impedindo-a que caia na vala comum dos romanções mal-ajambrados. Ou ao menos marcando com isso indisfarçável "diferença" ante a banalidade narrativa o mais das vezes vigente, aqui ou alhures.

Sem dispensar enredo e história, mas tornando-os, ao contrário, literariamente convincentes, propósito primeiro, sabemos, de toda escrita, À Espera dos Bárbaros tem como cenário as fronteiras de um hipotético império constantemente ameaçado pelos bárbaros cujos territórios foram usurpados pela sanha expansionista que é a marca, aliás, de todo império digno deste nome. Qualquer semelhança com países vivos ou mortos não é mera coincidência...

O elemento que, à primeira vista, poderia passar despercebido em 1980, quando o livro foi originalmente publicado, diz respeito aqui à estratégia com que os bárbaros tentam recuperar as terras surrupiadas pelo Império e não só as terras, como também a retomada de toda a sua, digamos, organização social e política. Isto se aos bárbaros não fosse negado sequer o direito de constituí-la. Sem tirar nem pôr - como na nova barbárie ao contumaz alcance de nossos narizes, os bárbaros de J. M. Coetzee não têm face nem bandeira. Atacam na sombra, minam terrenos e explodem comboios, numa guerra surda e sem trégua. Nem sequer o nome ou a cara de seus líderes são visíveis, mesmo à luz do dia. De novo, qualquer semelhança com o mundo em que vivemos, não é, podemos alertar, uma ilusão de ótica.

Massa crítica, ainda que culposa, de todo o desenrolar do romance é a figura indelével do Magistrado. Embora a serviço do Império e às voltas com regras e jurisprudências que, por dúbias, já caducaram, além de viver permanentemente na ambígua fímbria entre dominadores e dominados, acaba vítima, como não poderia deixar de ser, das próprias leis que, por muito tempo, entre a arrogância e a displicência, defendera. Teme os bárbaros; vigia, da cidadela onde estão montados casas, escritórios e tribunais, a onisciente ameaça das hordas famintas e belicosas, dispostas sempre a retomarem o que lhes foi subtraído.

Isto até se defrontar com uma obscura Terceira Divisão da Guarda Civil, de zelosos vigilantes do Estado, comandada pelo famígero coronel Joll e seus ainda mais assustadores prepostos. A serviço do comando central do Império, chegam até aqueles longínquos limites, determinados a eliminar pela raiz um suposto movimento de sedição entre os bárbaros que vagam, e uma que outra vez se insinuam, nas proximidades da autêntica fortaleza em que está instalado o Magistrado e pequena povoação de súditos.

Não precisa dizer o quanto frustra e vã se revela a expedição do coronel Joll, cuja tática não é propriamente a da guerra, do corpo a corpo a que a soldadesca imperial - no livro como na vida -, cada vez mais, e melhor, se recusa. Não, a estratégia de Joll e de seus lugar-tenentes é a dos aviltantes interrogatórios, a da tortura odiosa e assumida. A que acaba arrancando do inimigo, sobretudo inocente, não a verdade, mas o delírio de quem frente à dor insuportável, confia ao verdugo os "segredos" com que, em última análise, ele, o verdugo, já devaneava... Um mau negócio para algozes e vítimas, sem dúvida, mas que, parece, se tornou a rotina em nossa aflitiva atualidade.

Enquanto isso, facções bárbaras, mesmo geograficamente diversas, se unem contra o inimigo comum, num somatório de pequenos atos e sabotagens que, aos poucos, vão minando irremediavelmente os conquistadores. E, quando isto acontece, tanto para os guardiães do império imaginário de John Maxwell Coetzee, como - ainda outra vez - para os dos concretos impérios da modernidade, só resta uma saída: bater em retirada, as carroças entulhadas dos saques perpetrados contra os próprios súditos aos quais em princípio vieram para defender. Fugas em massa, humilhantes deserções, capitulações vergonhosas.

Seja na pungente alegoria deste À Espera dos Bárbaros ou na realidade nua e crua que os telejornais despejam em nossas salas todos os dias, dispensável informar detalhes de como este tipo de história termina; quando termina.

Um romance antológico e que reafirma, em grande estilo, a sagrada virtú do "vaticínio", que é, a um tempo, fulgor e maldição, de toda grande literatura.


Não queria me envolver nisso. Sou um magistrado rural, um alto funcionário do Império, e estou completando meu tempo de serviço nesta fronteira pacata, à espera da aposentadoria. Recolho o dízimo e os impostos, administro as terras comunais, abasteço a guarnição militar, supervisiono os funcionários novos, que são os únicos que temos aqui, controlo o comércio, presido o tribunal de justiça duas vezes por semana. No mais, contemplo a alvorada e o pôr-do-sol, como, bebo e estou satisfeito. Espero merecer três linhas na Gazeta Imperial ao morrer. Nunca pedi mais que uma vida tranqüila em tempos tranqüilos.

No ano passado, contudo, começaram a chegar notícias da capital sobre a inquietação entre os bárbaros. Mercadores que viajavam por estradas seguras foram atacados e saqueados. O roubo de gado cresceu em escala e em audácia. Um grupo de funcionários do censo desapareceu e foi encontrado enterrado em cova rasa. Dispararam contra o governador provincial durante uma viagem de inspeção. Houve choques com as patrulhas fronteiriças. Segundo os boatos, as tribos bárbaras

estavam se armando; o Império tinha de tomar medidas preventivas, pois, certamente, haveria guerra.

De tal inquietação eu não vi nada. Tenho observado, em particular, que, uma vez em cada geração, infalivelmente, há um surto de histeria com relação aos bárbaros. Não há uma única mulher, ao longo da fronteira, que não tenha sonhado com a escura mão de um bárbaro saindo de sob a cama para lhe agarrar o quadril, um único homem que não tenha estremecido com a imagem de um bárbaro entregando-se à orgia em sua casa, quebrando os pratos, ateando fogo às cortinas, raptando-lhe as filhas. Tais sonhos são conseqüência do ócio excessivo. Mostrem-me um exército bárbaro, então acreditarei.

quarta-feira, novembro 14, 2007


Demagogia populista

La inseguridad jurídica amenaza cada vez más las inversiones españolas en Latinoamérica

1. Es una realidad bien conocida que España es el segundo inversor más importante de Latinoamérica. El primero, si se excluye Brasil. En los últimos 20 años, empresas o los bancos entendieron que era rentable invertir en países que tenían una escasez preocupante de infraestructuras y servicios y cuyos Gobiernos, en términos generales, eran más que favorables a la llegada de dinero exterior que dinamizara unas economías casi siempre al borde del precipicio.

2.Los grupos españoles conocían los riesgos políticos y regulatorios que corrían al invertir em algunos de esos países, especialmente los más proclives a variar las reglas del juego con el partido empezado; pese a lo cual decidieron apostar por el desarrollo de un continente con grandes expectativas y necesidades de capital. Es absurdo pasarles factura porque intenten rentabilizar esas inversiones en interés de ambas partes. El problema de fondo de nuestras inversiones em Latinoamérica es que operan en mercados regulados a su antojo por el líder de turno.

3. Esta arbitrariedad se mantuvo en límites razonables durante la década de los noventa. Pero la llegada al poder de Hugo Chávez, em Venezuela, y, en su estela, de dirigentes como los de Bolivia o el resucitado Daniel Ortega, en Nicaragua, ha exacerbado la demagogia contra las empresas españolas. Con el pretexto de una rapacidad proclamada como verdad absoluta, estos Gobiernos, pero no sólo ellos, han entrado en la dinámica perversa de las amenazas de nacionalización y en la revisión permanente de las concesiones de explotación.

4. Las acusaciones de inseguridad jurídica están bien fundadas, por mucho que molesten a Chávez u Ortega. Si no se pactan relaciones claras y estables entre los Gobiernos y las empresas, es de temer que las reivindicaciones razonables sobre los recursos nacionales se conviertan en un simple expolio de las cuentas de resultados de lãs firmas extranjeras. No es de extrañar que empresas españolas estén considerando la hipótesis de retirar sus inversiones en la zona, y de Venezuela en particular, a pesar del coste de semejante decisión. La demagogia y la intervención arbitraria asfixian cualquier negocio.

terça-feira, novembro 13, 2007

O beija-mão de Dom João VI.

“Quando o sinal é dado para a abertura do salão real, a banda de musica da corte, no seu costume muito antigo, começa a tocar e toda a cena assume uma aparência muito imponente. Os nobres caminham em fila para dentro do salão, um após o outro, em passos lentos. Quando chegam a alguns passos do trno, inclinam-se profudamente. Em seguida, avançam mais um pouco, ajoelham-se e beijam a mão do soberano, que a estende para todos os seus súditos com ar verdadeiramente paternal. Feito isso, os nobres repetem a mesma homenagem em direção à rainha e a cada um dos membros da família real. Por fim, saem em fila pela outra porta, na mesma ordem que entraram.”

ADPG in 1808, p. 201

Yamandu Costa Disparada

segunda-feira, novembro 12, 2007

1808: o nascimento do Brasil como nação

O começo atrapalhado do Brasil guarda lições que ficam até hoje, a nova leitura é um jornalismo sobre a vinda da corte real portuguesa ao Brasil em 1808.

A fuga da família real portuguesa para o Rio de Janeiro ocorreu em um dos momentos mais apaixonantes e revolucionários do Brasil, de Portugal e do mundo. O propósito deste livro, resultado de dez anos de investigação jornalística, é resgatar e contar de forma acessível a história da corte lusitana no Brasil e tentar devolver seus protagonistas à dimensão mais correta possível dos papéis que desempenharam duzentos anos atrás. '1808 - Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil' é o relato sobre um dos principais momentos históricos brasileiros.

Norman Mailer

por Louis Menand para New Yorker

No one would say of Norman Mailer, who died on November 10th, at the age of eighty-four, that he hoarded his gift. He was a slugger. He swung at everything, and when he missed he missed by a mile and sometimes ended up on his tush, but when he connected he usually knocked it out of the park. He was immodest about his failures and modest about his successes, which is a healthy trait for a writer and probably a healthy trait for life. He left a huge footprint on American letters.
Mailer was a performer. He went on television talk shows and engaged in public debates and held press conferences; he directed movies and acted in them; he hosted wild parties and wrecked a few; he ran for mayor of New York City and did not finish last. It is important to acknowledge, though, that he was a singularly bad performer. He entertained and he instructed, but he also irritated, alienated, baffled, and appalled. He told dirty jokes that were not funny, and he tried on outfits and accents that were preposterous—a Jewish boy from Brooklyn, he sometimes dressed like a sea captain and affected a Texas drawl—and he had a few moments, deservedly notorious, of disastrous misjudgment. Even people who wished him well, and who loved the fact that, good, bad, or ugly, he was always in the game, were obliged to cope with a lot of moral and intellectual klutziness.
It is a decorum of modern criticism that there is the writer and then there is “the work”—that all that matters is the books, considered as stand-alone verbal artifacts. To apply this decorum to Mailer is to miss the point. Beginning with his comeback book, “Advertisements for Myself,” in 1959, he bled his life and his personality into his writing. He had enjoyed a precocious success eleven years before, with “The Naked and the Dead,” the first of the major Second World War novels, and written in the third-person naturalist style of James T. Farrell and John Dos Passos. Mailer was twenty-five when it came out, and was duly lionized. But then he produced two books that attracted few admirers, “Barbary Shore,” which is sort of about politics, and “The Deer Park,” which is sort of about Hollywood, and he was desperate to have a second act. His solution was to make himself—his opinions, his grievances against the publishing industry, his ambitions—part of his subject. He did this sometimes by inventing outsized fictional alter egos—the bullfighting instructor and Village cocksman Sergius O’Shaughnessy, the wife killer Stephen Rojak—but mostly by making himself a character in his nonfiction writing: “The Armies of the Night” (about the 1967 march on the Pentagon), “The Prisoner of Sex” (about the women’s movement, a phenomenon not readily assimilable to the Mailer cosmological system, at no time a flexible instrument of analysis), “Of a Fire on the Moon” (about the Apollo space mission), “The Fight” (about the Ali-Foreman championship bout in Zaire, and one of Mailer’s finest books).
Some readers found all these Normans obnoxious, a display of egotism. But Mailer was simply making apparent something that modern literature and, in particular, modern journalism preferred to disguise, which is that a book is written by a human being, someone with professional ambitions, financial needs, tastes and distastes, and this human being is part of the story whether he or she appears in the story or not. It was not important for readers to like this person; it was important to know him. Mailer did not put the first person into journalism; he took it out of the closet.
This was so even in what is, stylistically, his least Maileresque—and, for many people, most successful—book, “The Executioner’s Song,” about the execution, in Utah, of the murderer Gary Gilmore, in 1977. Half of that book is Gilmore’s story; half is about the unseemly scramble by publishers and television producers to buy the rights to tell it. People made money off Gilmore’s death, and Mailer lets you know that he was one of them.
Mailer liked to think of his books as his children, and, when asked which were his favorites, to name the least critically appreciated—“Ancient Evenings” and “Harlot’s Ghost,” great literary pyramids that no one visits any longer. He did not pretend that those books did not exist. He put himself, with all his talents and imperfections, before his audience. Not many writers have been so brave with themselves. ♦

sábado, novembro 10, 2007

Capitão Nascimento é fanfarrão, diz comandante

Para o tenente-coronel Pinheiro Neto, do Bope, "Tropa de Elite" é uma caricaturaSegundo o "Caveira 41", o Bope é extremamente eficiente, usa a força letal prevista em "código" e pode ser comparada com a Swat
DA SUCURSAL DO RIO da Folha de S. Paulo

Aos 43 anos, o tenente-coronel Pinheiro Neto é o 13º comandante do Bope e o "Caveira 41". Reconhece que faltam equipamentos modernos e diz que "Tropa de Elite" é "uma caricatura" do Bope e da PM. Vê aspectos positivos no filme e reconhece que é uma propaganda para a unidade. Só não perdoa o capitão Nascimento, protagonista do filme. "É um um fanfarrão." (RAPHAEL GOMIDE)

FOLHA - O Bope é eficiente? PINHEIRO NETO - Extremamente. Tira de circulação o marginal e minimiza danos à população, trazendo o combatente vivo. Pelo volume de operações e as condições em que somos chamados a intervir, em situações fora de controle, prova que o treinamento tem efeito.
FOLHA - O Bope mata mais do que deveria? PINHEIRO NETO - Não digo nem que sim nem que não. Usamos a força letal prevista em código, quando o oponente não se rende ou põe nossa vida ou a de terceiro em risco. Este ano tivemos seis casos de resgates, com nove resgatados. Quando tiramos de circulação traficantes que expõem riscos a milhares, é tropa que salva vidas.
FOLHA - É incorruptível? PINHEIRO NETO - Trabalhamos para isso. Quem não pensa assim não deve vir. Perde seu tempo e, pior, faz com que percamos o nosso. Agora, trabalhamos com seres humanos, passíveis de erro, mas temos instrumentos para punir o desvio. Já tive gente excluída por outros fatores: por deficiência tática, disciplina, relacionamento. Na minha gestão não houve excluído por corrupção. Em outras gestões, não recordo.
FOLHA - É possível comparar o Bope com unidades de outros países? PINHEIRO NETO - Com a Swat, dá para comparar nossa unidade de intervenções táticas. No resto, só com unidades de Israel na Faixa de Gaza e as tropas dos EUA em Bagdá.

FOLHA - O Bope tem o mesmo nível de equipamento tecnológico da Swat?
PINHEIRO NETO - Tenho tudo o que quero? Minha resposta é um "não" bem grande. Precisamos de tecnologias de última geração, pequenas câmeras de infiltração, sensores de calor. É necessário investir e é função que faço com freqüência. Vão chegar novos blindados de Israel, de US$ 300 mil. Solicitamos desde fuzis de assalto até tratores, blindagem pessoal, explosivos, caminhões 4x4, armamento não-letal.

FOLHA - O Caveirão (blindado) está ultrapassado?
PINHEIRO NETO - É engraçado: nunca chamamos o blindado de Caveirão, mas ficou conhecido assim. O blindado tem uma série de coisas a serem melhoradas, mas muitos PMs deixaram de morrer por causa dele. Não dá para abrir mão.

FOLHA - "Tropa de Elite" é propaganda positiva ou negativa?
PINHEIRO NETO - O filme é uma caricatura do curso e dos batalhões convencionais. Foi importante por discutir a relação hipócrita entre consumo de droga e financiamento da violência e mostrar que bandido é bandido. Mostra o lado ruim da PM, cruel e corrupto -que existe-, mas também o bom. A PM é a corporação que mais expurga os maus funcionários. Foi uma propaganda para o Bope? Posso dizer que sim.

FOLHA - E o capitão Nascimento?
PINHEIRO NETO - É um descompensado, um fanfarrão.

FOLHA - E o capitão Pimentel [co-roteirista e ex-Bope]?
PINHEIRO NETO - Extremamente carismático, inteligente e honesto. Foi meu amigo, mas frise aí: foi. Fomos grandes amigos; hoje, somos conhecidos.

FOLHA - Mais gente quer entrar para o Bope depois do filme?
PINHEIRO NETO - Saberemos nas inscrições de janeiro. No último curso, antes do filme e sob o impacto da ação no Alemão, foram 548 candidatos [30 vagas] -a média antes era de 250.

sexta-feira, novembro 09, 2007

MONTENEGRO - As aventuras do marechal que fez uma revolução nos céus do Brasil.

Nova leitura, logo após terminar dois neo-clássicos do discipulado cristão: Renovação do Coração do D. Willard e Discipulado Celestial do M. Wells, caiu nas minhas mãos o livro de Fernando Morais sobre o Marechal do Ar Casimiro Monteiro, fundador do ITA.

Eis a resenha do Correio Braziliense / Data: 28/11/2006
Um pioneiro dos ares

Tatiane Lopes
Pela primeira vez, o escritor Fernando Morais mudou de lado. Nos últimos livros, 'Olga', 'Chatô' e 'Cora­ções sujos', o jornalista explorou a história do Brasil, desde o tenen­tismo até o golpe de 1964; mas com uma visão externa dos fatos. Foi em seu oitavo livro, "Montene­gro - As aventuras do marechal que fez uma revolução nos céus do Brasil", que ele "pulou o balcão". Sob a ótica dos brigadeiros, inva­liu os meandros da Aeronáutica e de lá descobriu a riqueza de mais um grande personagem da histór­ia, Casimiro Montenegro. "Agora, estou lá dentro para contar a trajetória do visionário militar brasileiro que, em 1950, criou o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (lTA), um dos mais respeitados centros de produção de conhecimento do mundo". A bela obra será apresen­ada ao público hoje, a partir das 19h30, pelo projeto 'Sempre um Papo', onde o autor contará os detalhes sobre essa importante figura da aviação nacional.

Nas palavras de Fernando Mo­rais, Casimiro Montenegro "nos faz voltar a sentir orgulho de ser brasileiros". De um jovem tenente de olhos azuis, que, em 1930, ati­rava bombas sobre os quartéis de Minas Gerais, até sua morte, em 2000, aos 96 anos de idade, ele foi um revolucionário dos anos 1930 e um militar que preferia o bom senso à rigidez da caserna. "Eu nunca tinha ouvido falar no Montenegro. Morava fora do Brasil e, um dia depois de sua morte, um amigo me mandou um e-mail so­bre o fato, sugerindo que aquele homem poderia me render uma boa história. Quando retornei ao Brasil, por coincidência, conheci a viúva do marechal, dona Maria Antonieta", revela o jornalista.

Com um envelope entregue por Antonieta repleto de fotos e documentos, e depois com um vídeo amador, também feito pelos filhos, sobre a intimidade de Montenegro, Fernando se deu conta de que, a partir da vida do mare­chal, poderia mais uma vez, contar um episódio marcante na vida na­cional. Enfrentou as dificuldades dos companheiros de farda, que temiam que o livro pudesse criar polêmicas, mas teve a ajuda de fa­miliares, entre eles o primogênito de Montenegro, Fábio, que abriu as portas da família e dos amigos na Aeronáutica. "Uma das coisas que mais me aproximaram da vi­da do marechal foi um caderno de anotações escrito por ele depois que ficou cego. Foi como se tives­se feito uma entrevista ao vivo", conta Fernando Morais. Nas 328 páginas, estão trata­das a coragem e a obstinação, as batalhas e alianças com brigadeiros, ministros e até com os presiden­tes da República. Na avenfura de pilotar o avião do primeiro vôo do Serviço Postal Aéreo Militar, em­brião do Correio Aéreo Nacional, e passar meses preso pelos paulis­tas durante a Revolução Constitu­cionalista de 1932, o maior feito de Montenegro foi a criação do ITA, inspirado no Massachussets Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos. Fernando Morais revela a relação de Montenegro e­ Eduardo Gomes, patrono da FAB. De amigos, na assinatura do Ma­nifesto dos Brigadeiros, contra Vargas, passaram a inimigos, prin­cipalmente pelas divergências quanto à importância do ITA. Vida pessoal - Há também espaço para a vida pessoal.

Bastante assediado por onde passava, casou -se aos 50 anos com uma sobrinha 30 anos mais jovem. "Ele tinha uma vida saborosa, ficou solteiro durante muito tempo, mas encontrei bi­lhetinhos de mulheres que pe­diam: 'Montenegro, eu quero voar para o Brasil com você'," brinca o escritor.

Feliz com o resultado do livro e envolvido em vários outros projetos, Fernando Morais pre­para a biografia de Paulo Coelho, que deve ficar pronta até o segundo semestre do ano que vem. "Tenho enorme curiosidade so­bre a vida dele. Estou grudado no calcanhar do Paulo, fui à Europa, ao Egito e Oriente Médio, tudo para conhecer melhor a sua his­tória", antecipa o jornalista.

quinta-feira, novembro 08, 2007

Seinfield se apresentando a Larry King.

Pensamentos de um Pastor Neo-pentecostal.

aqui está alguns pensées, tirem suas próprias conclusões:

Salomão usou o óleo da unção para pagar as dívidas que ele contraiu com Irão. (I Rs 5.11) Muitos estão presos, enlaçados e acorrentados em dívidas. Mas, através da unção, Deus abre as portas para serem livres dessas cadeias. A unção pode me tirar de toda situação de escassez , e me levar a uma situação de abundância. Eu dizimo e oferto, mas se eu não tiver unção, não adianta. É a unção que se multiplica, e não o dízimo. Mas, a unção sobre ele o faz multiplicar.
Em Pv. 27.7 diz: “Nunca falte óleo sobre minha cabeça.” Por isso, não pode faltar óleo, ou seja, unção. Pois essa unção, como aconteceu com Salomão, foi dada para pagar a dívida. A unção nos dará capacidade para produzir riquezas e idéias criativas, que nos tirarão de apertos, e nos colocarão diante de pessoas que possuem recursos.

Diga: profetizo em nome de Jesus, que a unção de prosperidade levará os meus sonhos a serem realizados, e todos aqueles que me criticam, verão e reconhecerão a boa mão do Senhor sobre a minha vida. Neemias passou de copeiro a governador. Ele cresceu e eu também crescerei, não sei onde chegar, mas vou crescer, vou até onde Deus quiser. Posso hoje ser pequeno, mas Deus pode me levar a lugares altos.

A unção transformará a minha vida, vou crescer em todos os lugares: nos sentimentos, sonhos, em todas as áreas da minha vida em nome de Jesus.

Recebendo provisão através da unção.

quarta-feira, novembro 07, 2007

Dangerous Minds

Criminal profiling made easy.

by Malcolm Gladwell

On November 16, 1940, workers at the Consolidated Edison building on West Sixty-fourth Street in Manhattan found a homemade pipe bomb on a windowsill. Attached was a note: “Con Edison crooks, this is for you.” In September of 1941, a second bomb was found, on Nineteenth Street, just a few blocks from Con Edison’s headquarters, near Union Square. It had been left in the street, wrapped in a sock. A few months later, the New York police received a letter promising to “bring the Con Edison to justice—they will pay for their dastardly deeds.” Sixteen other letters followed, between 1941 and 1946, all written in block letters, many repeating the phrase “dastardly deeds” and all signed with the initials “F.P.” In March of 1950, a third bomb—larger and more powerful than the others—was found on the lower level of Grand Central Terminal. The next was left in a phone booth at the New York Public Library. It exploded, as did one placed in a phone booth in Grand Central. In 1954, the Mad Bomber—as he came to be known—struck four times, once in Radio City Music Hall, sending shrapnel throughout the audience. In 1955, he struck six times. The city was in an uproar. The police were getting nowhere. Late in 1956, in desperation, Inspector Howard Finney, of the New York City Police Department’s crime laboratory, and two plainclothesmen paid a visit to a psychiatrist by the name of James Brussel.

Brussel was a Freudian. He lived on Twelfth Street, in the West Village, and smoked a pipe. In Mexico, early in his career, he had done counter-espionage work for the F.B.I. He wrote many books, including “Instant Shrink: How to Become an Expert Psychiatrist in Ten Easy Lessons.” Finney put a stack of documents on Brussel’s desk: photographs of unexploded bombs, pictures of devastation, photostats of F.P.’s neatly lettered missives. “I didn’t miss the look in the two plainclothesmen’s eyes,” Brussel writes in his memoir, “Casebook of a Crime Psychiatrist.” “I’d seen that look before, most often in the Army, on the faces of hard, old-line, field-grade officers who were sure this newfangled psychiatry business was all nonsense.”

He began to leaf through the case materials. For sixteen years, F.P. had been fixated on the notion that Con Ed had done him some terrible injustice. Clearly, he was clinically paranoid. But paranoia takes some time to develop. F.P. had been bombing since 1940, which suggested that he was now middle-aged. Brussel looked closely at the precise lettering of F.P.’s notes to the police. This was an orderly man. He would be cautious. His work record would be exemplary. Further, the language suggested some degree of education. But there was a stilted quality to the word choice and the phrasing. Con Edison was often referred to as “the Con Edison.” And who still used the expression “dastardly deeds”? F.P. seemed to be foreign-born. Brussel looked closer at the letters, and noticed that all the letters were perfect block capitals, except the “W”s. They were misshapen, like two “U”s. To Brussel’s eye, those “W”s looked like a pair of breasts. He flipped to the crime-scene descriptions. When F.P. planted his bombs in movie theatres, he would slit the underside of the seat with a knife and stuff his explosives into the upholstery. Didn’t that seem like a symbolic act of penetrating a woman, or castrating a man—or perhaps both? F.P. had probably never progressed beyond the Oedipal stage. He was unmarried, a loner. Living with a mother figure. Brussel made another leap. F.P. was a Slav. Just as the use of a garrote would have suggested someone of Mediterranean extraction, the bomb-knife combination struck him as Eastern European. Some of the letters had been posted from Westchester County, but F.P. wouldn’t have mailed the letters from his home town. Still, a number of cities in southeastern Connecticut had a large Slavic population. And didn’t you have to pass through Westchester to get to the city from Connecticut?

Brussel waited a moment, and then, in a scene that has become legendary among criminal profilers, he made a prediction:

“One more thing.” I closed my eyes because I didn’t want to see their reaction. I saw the Bomber: impeccably neat, absolutely proper. A man who would avoid the newer styles of clothing until long custom had made them conservative. I saw him clearly—much more clearly than the facts really warranted. I knew I was letting my imagination get the better of me, but I couldn’t help it.
“One more thing,” I said, my eyes closed tight. “When you catch him—and I have no doubt you will—he’ll be wearing a double-breasted suit.”
“Jesus!” one of the detectives whispered.
“And it will be buttoned,” I said. I opened my eyes. Finney and his men were looking at each other.
“A double-breasted suit,” said the Inspector.
He nodded. Without another word, they left.

A month later, George Metesky was arrested by police in connection with the New York City bombings. His name had been changed from Milauskas. He lived in Waterbury, Connecticut, with his two older sisters. He was unmarried. He was unfailingly neat. He attended Mass regularly. He had been employed by Con Edison from 1929 to 1931, and claimed to have been injured on the job. When he opened the door to the police officers, he said, “I know why you fellows are here. You think I’m the Mad Bomber.” It was midnight, and he was in his pajamas. The police asked that he get dressed. When he returned, his hair was combed into a pompadour and his shoes were newly shined. He was also wearing a double-breasted suit—buttoned.

Continua no site do New Yorker

sábado, novembro 03, 2007

Tim Keller na Preaching Today

One Minute One-on-One

Preaching Today: Could you tell us a bit about your planning process for preaching?

Tim Keller: Every June I flesh out all of my sermon topics, titles, and texts for the coming year, and then I send them off to my music director and other associate preachers. During vacation and study time in the summer, I read books on the themes I'll be treating in the sermons during the coming year. At the end of the summer, my reading leads me to revise the list of topics and texts, and then we are good to go!

Tell us about your weekly preparation process.

Ten days before the Sunday I will preach a given sermon, I spend three hours doing basic exegesis and outlining. The Friday morning before I preach the sermon, I spend five hours writing a first draft of the sermon. On Saturday morning I spend four hours writing a second draft. That Saturday night I spend another two to three hours writing a third draft. With each draft I shorten and streamline the message. I then get up very early on Sunday morning and spend two hours reading it through several times, essentially memorizing all the basic points and sub-points.

I pastor a large church and have a large staff, so I give special prominence to preparing the sermon. I give it 15–18 hours a week. I would not advise younger ministers to spend that much time on sermon preparation, however. The main way to become a good preacher is to preach a lot and to spend tons of time in people work. That's how you become something more than a Bible commentator; you become a flesh–and–blood preacher. When I was without a large staff, I spent 6–8 hours in sermon preparation.

Which tools do you find most helpful in the preparation process?

I use BibleWorks software and lots of commentaries.

What advice can you offer to other preachers?

Preaching should be biblical, clear for the mind, practical for the will, vivid for the heart, warm, forceful, and Christocentric. You should always preach Christ and the gospel from every text!

How do you generate sermon ideas?

It's a great mistake to pit pastoral care and leadership against preaching preparation. Many of my preaching ideas come to me as I am talking to, exhorting, counseling, evangelizing, and shepherding people. It is only through working with people that you become the preacher you need to be—someone who knows sin, how the heart works, what people's struggles are, and so on. To some degree, pastoral care and leadership are sermon preparation! They prepare the preacher and not just the sermon.

Finally, what devotional material do you use for your personal growth?

I use a version of M'Cheyne's reading calendar, reading the Bible in its entirety every year. I also follow the traditional daily office, and I read and pray all the Psalms every month. I use older versions of the Book of Common Prayer for many of my prayers.

quinta-feira, novembro 01, 2007

Mike Wells e Casamento

O casamento vai revelar mais problemas do que cria-los, quando você entra num relacionamento, entramos com duas malas: vida na carne e personalidade.


Alma - Mente (Pensador) ∆ Emoções (Sentimental) ∆ Vontade (Realizador)


Jesus disse que Ele era o Caminho- realizador (Mc), a Verdade- pensador Lc e Mt) e a Vida (sentimental- Jo.)

Nunca deixe a personalidade permitir julgar a espiritualidade. Deus quer que sejamos usados de modo único.

Quando eu vejo um comportamento de outra pessoa, eu coloco um motivo para este comportamento, que será o meu motivo e não o motivo da pessoa que realiza o comportamento. Nós aprovamos comportamentos que gostamos de receber e condenamos comportamentos que parecem ruins para nós.

Divorcio Emocional

Com a minha mente estou ficando e com as minhas emoções estou correndo, ocorre o divorcio entre mente e emoções. Ai, busco com mente no outro, algum erro para justificar o meu sentir- minhas emoções. Usamos toda discussão para provar o que est

Três maiores problemas num casamento são: dinheiro, filhos e sexo.

Renovação do Coração

Novo nascimento não combina com velhos hábitos.

De forma geral, quem se convertia até uns 30 anos atrás ainda deve lembrar do que a maioria dos pastores costumava bradar dos púlpitos: “Você tem que mudar tudo em sua vida para seguir a Jesus!” Mas alguma coisa aconteceu nas últimas décadas, e o discurso mudou. Para não criar antipatia contra o rebanho, nem afugentar potenciais fiéis, muitos líderes passaram a inverter a lógica, e garantem que não é preciso mudar nada para seguir a Jesus.

Para Dallas Willard , representante mais do que legítimo de uma multidão de pessoas preocupadas com os rumos da Igreja moderna, ninguém nasce de novo para continuar sendo o que era antes. Por isso a estranheza que tal falta de solidez espiritual lhe causa – fraqueza esta que, a seu ver, tem sido a ruína do povo de Deus. Afinal, não deveria ser comum encontrar um número tão grande de crentes envolvidos em pecados sexuais, improbidade financeira e tantos outros desvios morais.

O que falta a essa gente que carrega o nome de Cristo, mas se recusa a imitar o caráter do Salvador? A resposta está em A renovação do coração, no qual o autor do sucesso Conspiração divina (também publicado no Brasil pela Editora Mundo Cristão) defende o que chama “transformação do espírito”, um processo divino por meio do qual cada elemento do ser se harmoniza com a vontade do Criador.

Em linguagem objetiva, e ainda assim repleta de sensibilidade, Willard vasculha os processos e os componentes da natureza humana para propor um discipulado pessoal e o enfrentamento sem rodeios dos desafios à autenticidade da fé. O resultado, segundo ele, fica patente “quando todas as partes essenciais do ser humano são efetivamente organizadas em função de Deus, e por ele restauradas e sustentadas”.

Sobre o autor
Dallas Willard é teólogo e professor da Escola de Filosofia da Universidade do Sul da Califórnia. Também foi professor na Universideade de Wisconsin. É graduado em Psicologia pela Faculdade William Jewell e em Filosofia e Religião pela Universidade Baylor, onde fez o doutorado. Suas obras filosóficas são concentradas nas áreas da Epistemologia e da Filosofia da Mente e da Lógica. Trabalhou também na Fundação C. S. Lewis e na Universidade de Biola. Saiba mais!


A formacao espiritual repousa sobre esta fundação indispensável da morte do eu e não pode continuar a não ser que fundação esteja firmemente estabelecida e sustentada . (p. 76)

A ganância é auto-idolatria, pois torna os meus desejos supremos. Significa que eu poderia pegar o que quisesse caso fosse possível. Derrotar a ganância é aprender a nos alegrar por outros desfrutarem os bens que possuem. (p.77)

Mas andar com Jesus pelo caminho da autonegação rompe de imediato o encouraçado domínio do pecado sobre a personalidade humano e abre a estradas para uma restauração cada vez mais plena da bondade radical na alma. Tal situação da acesso a uma incrível e sobrenatural força para a vida. Porque devemos ser os agentes ativos desta progressão ‘de força em força´(Sl 84:7), é crucial que agora procuremos compreender os três principais componentes de qualquer processo de transformação espiritual. (p. 89)

Em todas as coisas que fazemos, somos autorizados a realizar a obra divina. O que almejamos nessa visão é habitar de modo completo no reino de Deus e tão completamente quanto possível aqui e agora, não apenas no futuro. (p. 103)

Os maiores santos não são os precisam menos da graça, mas os que mais consomem, os que de fato mais precisam dela,- os que estão impregnados por ela em todas as dimensões do seu ser. A graça para eles é como a respiração. (p.112)

Dallas Willard, A Renovação do Coração Ed. Mundo Cristão.