domingo, junho 27, 2010

Erwin McManus: Mudança Teológica


Capítulo 3 do livro:
UMA FORÇA EM MOVIMENTO.

Como visto no capítulo anterior, dentro do momentum, há a realidade inescapável de mudança. O momentum está relacionado com o tempo- rapidez, velocidade e momentum- Numa época de constantes mudanças, quais são as possíveis para a igreja?

Primeiro, a igreja deve recuperar a sua essência como movimento, pois a história está escapando ao seu controle, ela não é motriz mais da história, mas apenas algo ou ultrapassado ou movimentado pela história de forma totalmente passiva.

Nosso Deus é imutável, contudo, nós não somos e também a sua graça não é. Ela se transforma o tempo, transforma nossas vidas, realiza novas coisas sempre renovando-se.

"A transformação é um sinônimo de mudança. Se você não gosta de mudanças, é melhor não se tornar um cristão. A mudança é inevitável para quem pertence a Jesus. Nossa experiência cristã é, de maneira geral, uma experiência de mudança. Abrimos mão das coisas velhas para nos vestirmos das novas. Deixamos de nos conformar com o padrão deste mundo porque fomos transformados pela renovação de nossa mente"(p. 95)

O autor estabelece a ligação, a partir daí, do conceito de santificação com transformação. Os termos chaves cristãos representam mudança: conversão, arrependimento, regeneração, transformação e a própria santificação. Aí, ele termina com a explicação do que seria a mudança teológica, todos os conceitos cristãos envolvem uma teologia da mudança dentro dos indivíduos.
 
O problema é estabelecer e ampliar o conceito da mudança como imprescindível do ponto de vista individual para um conceito coletivo, que envolva a igreja em si.

"Temos a tendência de pensar apenas na necessidade de mudar o exterior. Nossas comunidades precisam mudar, nossa cidade precisa mudar, nossa nação precisa mudar, o mundo precisa mudar. Todo mundo precisa mudar, a não ser a igreja. A igreja está bem do jeito que ela é. Na verdade, ela se revela o último bastião de proteção contra a mudança pela preservação da tradição e do ritual, em vez de ser a catalisadora e a formentadora do Reino de Deus" p. 95

Neste ponto, a igreja deve ser, segundo o autor, expressão radical do compromisso de Deus com a mudanças estruturais no mundo hodierno. A igreja não deve seguire a mudança cultural, mas ser uma comunidade catalisadora e dinâmica que promove a mudança em um mundo que necessita desesperadamente de Deus de mudanças.
 
É importante que o autor defende que a igreja não deve ser imitadora das tendências culturais presentes, mas deve estar apoiada num Deus que é criatividade, imaginação e que escolheu através de Seu Filho, iniciar uma revolução no mundo. As implicações que começam num nível pessoal da salvação, envolvem todo o povo de Deus.
 
Citando Esdras 3:10-13, McManus estabelece a importãncia de o povo de Deus enxergar o presente apesar dos monumentos do passado, com capacidade de perceber e gerar mudanças.
 
Como modelo completo disto, temos Jesus Cristo:
 
“Segundo a análise de Jesus, a Palavra de Deus foi transformada em um instrumento de morte, e não de vida. Seu alerta de que a palavra escrita é morta, mas o Espírito vivifica, explica e esclarece todas as ações de Jesus. Para ele, a Palavra de Deus era viva e ativa. Quando lida com um coração humilde, a Palavra de Deus gera uma interação dinâmica entre Deus e os homens” (p. 99)
 
A ortodoxia da época, segundo o autor, era da conformação à religião estabelecida, aplicações bíblicas que não seguissem os padrões e costumes da época eram tratadas como heresias. Jesus rejeita a soberba dos mestres religiosos, e proclama uma mudança religiosa, “estabelecendo  uma interpretação missiológica, ao passo que os religiosos de seu tempo assumiam uma interpretação teológica” (ibid idem).
 
De outro modo, se a Biblia não promover mudança,  não foi completamente compreendida. Jesus estabeleceu esse princípio, condenando o povo por valorizar tradições em detritimento da Palavra de Deus em si. Partindo deste ponto de vista, o autor coloca que Jesus promoveu uma mudança realmente teológica, desconstruindo a religião de Israel, e apresentando, em seu lugar,a  religião de Deus.
 
Desse modo, a igreja primitiva foi símbolo de mudança radical, o livro de Atos é impregnado pelo ritmo da mudança, transformação que caracterizam o movimento divino, seja na esfera pessoal ou coletiva.
 
Em Atos 15, o autor levanta que o primeiro concílio não foi para tratar de assuntos teológicos, mas sim, da própria transformação cultural que estava sendo promovida pelo movimento eclesiástico.  A igreja deveria preservar a cultura judaica, com a aglutinação de membros de diversas culturas, o que fazer? A primeira igreja, no entender do autor, rejeitou a idéia de existe, ou melhor, subsiste, uma cultura sagrada para a fé cristã capaz de consolidar a expressão da igreja para as gerações seguintes e a nações que viessem a existir.
 
“Em tudo o que é negociável, não devemos criar dificuldades para atrair aqueles que não conhecem a Deus. Os gentios seriam cristãos gentios. Eles não teriam de se converter ao judaísmo para só então se tornar cristãos. A base da decisão foi a aceitação dos gentios pelo Espírito Santo, derramado em seu coração. Em tudo que diz respeito ao estilo e às preferências, a igreja deve estar disposta a mudar por amor àqueles que estão perdidos. Já é muito dificil para um pecador ter de lidar com as realidades do arrependimento e da humildade; nã é necessário que a igreja estabeleça limites desnecessários entre Deus e o ser humando” p. 101
 
Em suma, o autor resume bem o papel em que se deveria ocupar a igreja:
 
“A igreja é um paradoxo entre convicções imutáveis, fundamentadas na verdade divina, e a expressão encarnada de toda cultura e todas as pessoas que respondem positivamente à graça de Deus”
 
Baseando-se em Zacarias 7:11-15, o autor coloca que a igreja deve ser realmente um agente catalisador de mudanças, baseado num conceito muito caro ao cristianismo, esperança. Porque a realidade da mudança é a promessa da esperança. Deus quer mudar a nós e a nossa realidade ao redor, quando a igreja recua nesta missão, ela está, na verdade, recusando-se a obedecer a Deus.
 
O autor levanta outra hipótese, além da própria obediência a Deus, para realizarmos mudanças, a sinergia que haverá entre nós, a igreja e o próprio Deus na realização da sua vontade. Com base em Efésios 3:10-11,20-21, vemos que Deus quer realizar em nós e através de nós sua obra redentora na Terra.
 
“Para a igreja, o momentum tem mais a ver com o tempo do que com a distância. Quando não mudamos, na verdade nos distanciamos do mundo que nos cerca. Quando nos prendemos ao passado, criamos um distanciamento entre nós e aquilo que Deus está realizando no presente” p. 105
 
O perigo da nostalgia é que ela é um lugar de conforto, seguro e acochegante, onde ficamos cegos tanto para mundo exterior-real com qual devemos nos envolver quanto para o movimento atual-interno do Espírito Santo hoje.  A fé não é renovada interiormente e nem pratica externamente, há uma paralisia da fé no passado, que impede de vivenciar o presente e ter esperança no futuro.
 
Como povo de Deus, temos que olhar para o futuro, pois é para lá que Deus está indo. Pois Jesus, nos lembra o autor, nos chamou para segui-lo, então, tanto o tempo como o lugar importam, para que eu possa ter uma visão clara do presente, preciso ter a esperança nEle. Para vivenciar isto, é preciso estar aberto hoje às mudanças.

Um comentário:

Daniel dliver disse...

Não consegui acabar de ler o livro ainda...