quarta-feira, setembro 15, 2010

Edmund. P. Clowney: Preaching Christ in All of Scripture

 

 

Edmund P. Clowney busca entender a Bíblia como um livro cristão, e busca em todo o  texto a presença de Cristo. Percebi então que a Bíblia não nos dá uma história cheia de Israel, mas uma história da obra de Deus de salvar o seu povo escolhido. Então, os pregadores que ignoram a história da redenção em sua pregação estão ignorando o testemunho do Espírito Santo a Jesus em todas as Escrituras.

1. Cristo em todas as escrituras.

O  Deus vivo revelado no Antigo Testamento é o Deus Uno e Trino. Para ter certeza, a Encarnação trouxe à luz Antigo Testamento ensino que ainda estava na sombra.

Paulo afirma a divindade de Cristo, quando ele escreve: "Porque em Cristo toda a plenitude da Divindade a vida em forma corpórea" (Col. 2:09, NVI). O Filho de Deus possui todos os atributos de Deus. Ele é "um Espírito, infinito, eterno e imutável, sendo na sua sabedoria, poder, santidade, justiça.

O Dispensacionalismo ensina que Deus oferece diferentes meios de salvação em diferentes períodos. A salvação pelas obras foi o caminho da salvação, no período de Israel, e será novamente no milênio. A era da igreja "foi uma interrupção imprevista na história da salvação. Os quatro evangelhos são, portanto, para Israel, não a igreja. Nenhuma das profecias do Antigo Testamento previu. O relógio profético parou.

 

Cristo como servo da aliança.

Servir ao Senhor significa adoração e obediência. Jesus Cristo consuma a relação de aliança de ambos os lados. O que Jesus  como o Servo do Senhor não pode ser descrito como um mera "situação" paralela, um "fenômeno", um termo Hanson usa para explicar o referência típica. Ele está certo em insistir que a atividade do próprio Deus no Antigo Testamento não é apenas um tipo de sua atividade como Senhor no Novo Testamento. No entanto, as ações e papéis de Adão, Noé, Abraão, Isaac, Jacó, José, Moisés, Arão, Josué, Davi, e o resto não devem ser fixados ao lado da pessoa e obra de Jesus Cristo como performances menos eficaz do mesmo tipo de serviço.

Simbolismo e tipologia.

Contudo, ele também procura se afastar da alegorização do texto, buscando uma leitura mais tipológica. Para ele, a alegoria é atribuição de significados arbitrários para as palavras, o alegorista pode evitar ou subverter o significado do texto.  Citando Francis Foulkes, ele diz que alegorizar é um método distinto da tipologia, pois se faz a exegese de palavras ao invés do texto, se atribui significados para palavras evitando-se ou manipulando-se o texto.

Assim, o autor começa a analisar os texto de forma tipologica.

Simbolismo cerimonial.

No antigo testamento, este servia para separar o puro do impuro.

De forma que o poder dominante de Cristo inverte o princípio da impureza, quando Jesus toca o leproso, ele não está contaminado, contudo o leproso é limpo e pode reivindicar o seu novo estado, através do sacerdote e do sacrifício, esta inversão aparece também quando Paulo ensina que aqueles que se converteram ao cristianismo que não estão obrigado a separar seus cônjuges infiéis, como era necessário no Antigo Testamento.

Simbolismo histórico.

 

Sacrifício de Isaque por Abraão. (Gn. 22)

O verbo”jireh”  é a forma de um verbo comum para "ver". Que significa "dar" ou "ver-lhe", sendo derivado do contexto no versículo 8, onde Deus  está "vendo" o cordeiro, que pode ser  entendido como fornecendo. Está mais envolvido aqui o testar a fé de Abraão.

O primeiro uso do verbo "ver" em Gênesis 22 ocorre no versículo 4: "No terceiro dia, Abraão olhou e viu o lugar ao longe" (NIV). Abraão vê o carneiro preso no mato, no monte (v. 13). O lugar é novamente enfatizado na parte que  diz: "No monte do Senhor em que será visto", ou "ele vai ser visto."

Precisamos saber que Paulo fará uma alusão a esta passagem, quando ele diz: "Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como é que ele também não, junto com ele graciosamente nos dá todas as coisas?" (Rom . 08:32 NVI).

Memoriais de significância.

Cristo está presente na pessoa e no símbolo. Nesse incidente, o Cristo, o Senhor está na rocha como o Anjo teofânico, mas sobre o símbolo da Rocha  é necessário para fornecer o símbolo de que quando estiver com a natureza humana, ele deve assumir ela para receber o golpe expiatório de julgamento.

De forma que a fidelidade da aliança de Deus se torna o fundamento das promessas dos profetas inspirados sobre a graça de Deus no futuro.

  • Atos e palavras do Senhor.

Não podemos ignorar os tipos presentes no Novo Testamento, mesmo que não podemos sistematizar eles, não identificá-los é confessar a falência da hermenêutica. Sabemos que os escritores do Novo Testamento  encontraram os tipos, mas confesso que não podemos saber como eles fizeram isso. Parece haver nenhum princípio visível para nós seguirmos. Não podemos ignorar os tipos presentes no Novo Testamento. Se houver um simbolismo presente,  podemos acertadamente inferir uma tipologia.

Todas as verdades vêm para a sua realização em relação a Cristo. Se, portanto, podemos construir uma linha de simbolismo do evento ou cerimônia para uma verdade revelada,  a verdade vai nos levar a Cristo

Se traçarmos uma linha de significância diretamente do Antigo Testamento, que revelou a verdade para nós sem qualquer referência a Cristo e a realização dessa verdade Nele, estamos traçando uma linha do moralismo.

Se tomarmos a história de Davi e Golias, e apreendermos a verdade da coragem sem qualquer inferência a Cristo, estaremos construindo um sermão apenas moralista.  O que Davi exibe é a fé, o autor de Hebreus constrói sua lista de homens e mulheres de fé no Antigo Testamento- Hb 11-. Nela, fé e graça andam juntos, Davi, o ungido do Senhor é um tipo de Jesus Cristo, o Messias, que se encontra e vence Satanás, o home forte para que possa livrar os que estão cativos dele- Lc 11:15-19-. Nesta passagem, um pregador que depender da alegoria para tentar explicar o texto escolhendo algo nele, vai acabar gerando uma interpretação que não está relacionada com o contexto e significado do texto.

Há algumas formas que nos ajudam a entender como se dá o processo: (1) a forma de progressão histórica redentora, (2) a forma de cumprimento de promessas; (3) o caminho da tipologia; (4) a analogia; (5) a forma de temas longitudinal; (6 ) o modo de contraste; (7) a forma de referências do Novo Testamento.

Aqui, Clowney faz uma crítica ao dispensionalismo, que  não consegue ver a continuidade da obra redentora de Deus, mas justamente de uma forma de teologia bíblica vê a importância das eras ou épocas apenas. A história da redenção é sempre acompanhada pela história da revelação, a interpretação de Deus, de seus próprios atos fornece os temas que a teologia bíblica e sistemática deve reunir e sintetizar.

A história da redenção e da revelação existe por causa da vinda de Cristo. Se Jesus Cristo não foi escolhido no plano eterno de Deus, não teria havido história humana de qualquer maneira. Adão e Eva teriam caído mortos ao pé da árvore do conhecimento do bem e do mal. A graça da promessa da aliança de Deus é a fonte e o coração da história redentora.

Os levitas, tribo separada para servir ao Senhor na sua tenda, foram considerados como substitutos para os primogênitos. Além de seu número, cada pai israelita paga cinco siclos de comprar de volta o seu filho primogênito (Ex. 13:15-16; Num. 03:14, 16, 42-51).

Ele revelou seu nome como o Senhor o Deus cheio de devoção ( pacto de chesed ) e da fidelidade de verdade. Ele prometeu ir no meio do seu povo, e não apenas à frente deles.

"Onde é que os escritores do Novo Testamento, em contraste com suas contrapartes não-cristãos judeus, a idéia de interpretar o Antigo Testamento a partir da realidade de Cristo?" Os discípulos tinham estado com Jesus e teve encontro com o Senhor ressuscitado."Mas uma resposta mais completa é que o próprio Jesus ensinou-os a ler o Antigo Testamento, desta forma

Então ele abriu suas mentes para que eles pudessem compreender as Escrituras "(Lucas 24:44-45, NVI). Lucas relata em seguida suas palavras. Jesus apresentou uma síntese do Evangelho e sua propagação através das nações (vv. 46-47)

Ele preenche os livros sapienciais do Antigo Testamento. As formas de ensinar que Jesus usou são as formas de sabedoria do Antigo Testamento, mas ele tira do seu tesouro coisas novas e velhas (Mt 13,52). Nele, o Antigo Testamento é feita nova em plenitude, e as notícias do evangelho justifica o velho, ao mesmo tempo que cumpre e supera.

 

2. Preparando um sermão que apresenta Cristo.

  • O Senhor fala por si mesmo na pregação.

O Novo Testamento usa vários termos para a pregação. Pregação inclui proclamar a Boa Nova, ensinando a riqueza da revelação de Deus, encorajando, exortando, advertência e repreensão.

O estudo bíblico nos leva a sua presença.

Sentido também é atraído para a dinâmica da comunicação: o emissor, a mensagem eo receptor. Além disso, o elemento relacional fornece o contexto de comunicação. A fixação da mensagem inclui aqueles a quem é dirigida, mas tem um significado além daqueles para os quais foi inicialmente prevista.

No entanto, o oposto é o caso. Lembro-me de ouvir Tim Keller do Redentor Igreja Presbiteriana em Nova York que descreve o caminho da devoção. Ele insistiu que a Escritura abre as portas do céu para aqueles que buscam o Senhor.

Ouvir a Palavra do Senhor é um exercício de fé em acreditar que o Senhor faz ouvir e responder às nossas fundamento. A comunhão com o Senhor nos é pessoal. Sua intensidade vai além de nossas expressões de devoção, mas nossas palavras e nossos gritos resposta para o seu pronunciamento de amor.

A devoção do Senhor, seu Chesed, é profundamente pessoal, mas é direcionado para o seu povo escolhido. Nós, que são escolhidos em compartilhar a Cristo o amor que nos é dado por Cristo, como membros do seu corpo Cuidado, a reflexão devota da Palavra do Senhor permanece a chave para entrar a sua presença no culto.

 

Estrutura do Sermão que apresenta a Cristo.

Nós não podemos aprovar o papel de Jesus, nem a sua expressão facial enquanto falava. A realidade de Jesus não pode usar um stand-in. O esforço para tornar realidade para além da palavra pregada não como ficção. O ator não é Jesus.

A Estrutura do sermão que apresenta Cristo na história da redenção.

Toda a apresentação de Jesus possui uma dimensão narrativa, ele vem como o climax para uma grande história bíblica, no velho testamento Jesus aparece como o anjo em Ex. 3:2,14, Isaías viu sua glória no templo (Jo.12:41).

Jacó perdido quando o Senhor tocou seu quadril, mas Jacó venceu porque ele não deixou eu ir. O Senhor perdido em um sentido, quando ele abençoou Jacó, mas ele ganhou, porque a bênção de Jacó era o seu objetivo final.

 

O discurso direto apresenta Jesus.

Jesus é apresentado quando ele revela a si mesmo para nós e também quando ele fala para instruir, guiar e cuidar da gente. Quando pregamos tendo em conta o Evangelho, não podemos colocar as palavras de Jesus como um discurso indireto. Devemos chamar os nossos corações para as palavras de Jesus diretamente, e então pensar – como eles poderiam acreditar nele senão ouviram?-. Jesus está falando na pregação, devemos ver isto claramente e de forma direta.

Oração preparatória para a apresentar a Cristo.

 

"Como posso saber se estou pregando na energia da carne ou do poder do Espírito?" Isso é muito fácil ", Lloyd-Jones respondeu, como repete o autor: "Se você está pregando na energia da carne, você vai se sentir exaltado e sublime. Se você está  pregando no poder do Espírito, você vai sentir temor e humildade”

Pregação na presença do Senhor é mais pessoal do que possuir o poder de expressão, um poder que pode ser pensado como unção para a tarefa.

O Senhor nos salva pela maravilha da sua presença pessoal conosco. Assim é com a pregação. Nós não procuramos uma onda de energia em ministrar a Palavra de Deus. Nós buscamos a sua presença no ato da pregação, como temos diante da pessoa de Jesus Cristo ..

Mantenha sua linguagem vivida, e não por ilustrações e figuras de linguagem que roubam a atenção dele, mas pelas referências vivas para que o Senhor diz e faz. Certifique-se que as ilustrações não distrair a partir do que eles ilustram. Pegue  a atenção das pessoas com uma história sobre um ídolo dos esportes ou música, e você pode nunca tê-la de volta.

 

 

3. Compartilhando as boas vindas do Pai – Lc 15.

Na primeira parte da história, Jesus está mostrando a graça do Pai. e na segunda parte da história, ele nos está dizendo o que é preciso para a boa vinda.

A graça das boas-vindas do Pai.

A história começa com o filho mais novo, ele odeia cada minuto que passa naquela casa, detesta tudo que existe lá. Só uma coisa que ele gosta: o dinheiro do seu pai. Diante da remota possibilidade de obter e o fim da paciência, ele pede ao pai, que lhe dê sua parte da herança.

Foi uma coisa muito cruel de se fazer, a sabedoria judaica aconselha a não dar nada enquanto vivo, Clowney cita Ecl. 33:22

porque é melhor que os teus filhos te peçam, do que estares tu olhando para as mãos de teus filhos.

Contudo, o pai atendeu o pedido. Após algum tempo em uma terra, o filho perde tudo, e Jesus não conta como ele perdeu o dinheiro, apenas diz que estava faminto, alimentando porcos,  este não era um trabalho marginal, contudo, os porcos na lei judaica são animais impuros, o que quer dizer que o filho agora era um estranho, longe de casa, perdido e impuro.

O arrependimento do filho não é glamurizado, ele apenas reconhece que sua situação atual é muito inferior a dos funcionários do pai, que ele agiu tolamente.

O que guarda a lei é filho sábio; mas o companheiro dos comilões envergonha a seu pai Pv. 28:7

Ele quer voltar para casa do pai para ser um empregado por lá, porque sabia que não tinha nenhum direito de ser aceito de novo no antigo relacionamento, a confissão de seu completo imerecimento nos prepara nos assombrarmos com a graça do pai.

O pai o recebe de volta, dando a ele completa e livre perdão que não demora em restaurar no filhos, os símbolos de seu estatus- a melhor roupa como símbolo de honra, o anel que carrega o selo da família, mesmo as sandálias tem um significado, já que os servos andavam de pés descalços.

Clowney faz um relato aqui de outros pais amorosos, como Abraão no Monte Moriá, Rei Davi quando chora a vida de Absalão, em 2Sm 18:33. E o próprio Deus, que chora por seu povo escravo no Egito, Ex. 4:23 c/c Os.11:1-4.

A demanda da boa vinda do Pai.

Com a festa acontecendo, chega o irmão mais velho, e pergunta que está acontecendo ali. Ele vê a festa e fica aborrecido, afinal, tudo que está sendo gasto ali está sob sua conta, já que a herança foi dividida. Ele despreza a alegria do pai, fica furioso por sua graça e se ressente do amor pelo pródigo.

Os fariseus desprezam os pobres e desdenhavam o chamado de Cristo para o banquete do reino. Eles foram avisados que outros se sentariam no banquete do reino, e eles iam achar a si mesmos excluídos para sempre.  Contudo, nesta parábola, Jesus deixa a porta aberta para os fariseus, eles permanecem de fora, furiosos porque Jesus está celebrando com publicanos e pecadores. Contudo, Jesus diz que o Pai ainda vai ao encontro do filho mais velho, para eles entenderem que isto significa que se eles rejeitam seu chamado, eles ficaram de fora do banquete da glória.

O filho amargo está mais longe de casa ali no campo do que o pródigo estava no chiqueiro.  Ele não tem amor por seu pai. Guardar as ordens de seu pai é uma escravidão. Seu real prazer não é estar com seu pai, como o pródigo no começo da história, ele preferiria celebrações com seus amigos. Ele não tem entendimento do amor do pai – por seu irmão, ou por ele mesmo. Ele não ama seu irmão também. Ele não consegue chamá-lo de meu irmão, apenas diz este seu filho.

A demanda, a obrigação aqui é clara. Ele deveria entrar na festa, ele não pode ficar lá fora na escuridão queimando de raiva e inveja. Suponha que o irmão mais velho conhecesse o amor do pai, seu coração.  O que ele teria feito? Ele teria ajudado o pai no encontro com o irmão perdido, teria ido atrás do irmão se ele compartilhasse os sentimentos do seu pai. Isto é o que ele teria feito e muito mais, contudo, isto não é apenas uma sugestão, é algo que entendemos da parábola, esta é uma das três que Jesus contou para os fariseus e doutores da lei que o estavam criticando. Jesus contou três parábolas, a da ovelha perdida, da moeda perdida e do filho perdido. Cada história termina com uma alegre festa para comemorar que se achou o que estava perdido. Jesus está ensinando que há alegria no céu quando um pecador se arrepende. Contudo, ele está também fazendo um contraste entre seu ministério e a atitude de seus críticos. A reclamação deles que ele se associava com pecadores. Ele responde que ele está buscando pecadores porque é o que seu Pai faz. Jesus está retratado no pastor, que busca a ovelha que se perde, ele está retratado também na mulher que varre sua casa buscando amoeda que está perdida. Jesus não aparece, contudo, na parábola do filho pródigo. Ao invés disto, ele se coloca fora da história e coloca no lugar a figura dos fariseus, o irmão mais velho está fazendo apenas o que eles faziam: se recusando a se juntar com pecadores. Jesus está fazendo o oposto, ele entende o coração de misericórdia do Pai, ele não apenas quer que os pecadores estejam no banquete dos céus, como também veio atrás deles onde eles estão. Ele veio para buscar e salvar aquele que estava perdido.

Não entendemos  esta parábola se nos esquecemos quem disse isto e por quê.  Jesus Cristo é nosso irmão mais velho, o primogênito do Pai. Ele é o Pastor que vem procurar para encontrar o perdido, ele é a Ressurreição e a Vida, que pode dar vida aos mortos, ele é o herdeiro da casa do Pai. Esta parábola é incompleta se esquecermos que o nosso irmão mais velho não é um fariseu, mas Jesus. Ele não se limita a acolher-nos em casa como o irmão não, ele vem para encontrar-nos no chiqueiro, coloca os braços em torno de nós, e diz: "Volte para casa!"

De fato, se nos esquecermos de Jesus, não entendemos completamente a medida do amor do Pai. O pai celeste não é permissivo com o pecado. Ele é um Deus santo,a penalidade do pecado deve ser paga. A glória da graça surpreendente é que Jesus pode dar boas vindas aos pecadores por que ele morreu por eles. Jesus não apenas veio para a festa, comeu com publicanos e pecadores redimidos, ele espalhou a festa, pois ele nos chama para a mesa do seu corpo partido e sangue derramado.

E é por isto que o autor de Hebreus diz que Jesus está cantando junto com seus irmãos, conforme Hb. 2: 12.

Se você está perdido, ele está te buscando onde você está e quer te levar de volta para casa. Se você é um crente, como foi que Jesus te achou, como te carregou de volta para casa, se você já experimentou a graça, você conhece o coração do pai, dê boas vindas aos pecadores.

Nenhum comentário: