quinta-feira, abril 16, 2015

DEUS NÃO ESTÁ MORTO: Os argumentos usados nos debates no filme.

Deus não está morto: os argumentos do filme

No  site de apologética bem conservador Answering Genesis, há um artigo  God’s Not Dead Revisited de Roger Patterson que é  bem crítico ao filme pois, segundo ele, utiliza elementos não bíblicos e cristãos como defesa apologética.

Nesse mesmo artigo, há uma transcrição dos debates entre o aluno Josh Wheaton e o professor Radisson, 



PRIMEIRO DEBATE: O BIG BANG

Josh Wheaton : Os ateus dizem que ninguém pode provar a existência de Deus, e eles estão certos. Mas eu digo que ninguém pode negar que Deus existe. Mas a única maneira de debater esta questão é olhar para a evidência disponível, e é isso que vamos fazer. Nós vamos colocar Deus em julgamento; com o professor Radisson como o Ministério Público, me como o advogado de defesa, e você como o júri.


A maioria dos cosmologistas agora concordam que o universo começou há 13,7 bilhões de anos em um evento conhecido como o big bang [imagem de vídeo que ilustra o big bang em segundo plano]. Então, vamos olhar para o físico teórico e descrição do ganhador do Prêmio Nobel Steven Weinberg do que o Big Bang teria parecido. E já que ele é um ateu, podemos ter certeza de que não há qualquer preconceito crente em sua descrição.


"No início, houve uma explosão, e em três minutos, 98% da matéria há nem nunca será produzido. Tivemos um universo. " [On-screen animação do big bang]



Por 2.500 anos a maioria dos cientistas concorda com Aristóteles sobre a idéia de um estado estacionário universo que o universo sempre existiu, sem começo e sem fim. Mas a Bíblia discordou. Nos anos 1920, o astrônomo belga Georges Lemaitre, um teísta, que era, na verdade, também. . .



Aluna 1 : O que é, o que é um teísta?


JW : A teísta é alguém que acredita na existência de Deus. Ele disse que o universo inteiro, pulando em existência em um trilionésimo de um trilionésimo de segundo, do nada em um flash inimaginavelmente intenso de luz, é como ele seria de esperar o universo de responder se Deus realmente proferir o comando em Gênesis 1: 3 : "Haja luz". Em outras palavras, a origem do universo se desenrolou exatamente como seria de esperar depois de ler Genesis, e para 2.500 anos, a Bíblia tinha razão e da ciência tinha errado.

Você vê, no mundo real nunca vemos as coisas de saltar para a existência do nada, mas ateus fará uma pequena excepção a esta regra; principalmente o universo e tudo que nele há.


Aluna 2 : Mas, em seu livro, The God Delusion , Richard Dawkins diz que se você me dizer que Deus criou o universo, então eu tenho o direito de pedir-lhe que criou Deus.



JW : pergunta de Dawkins só faz sentido em termos de um deus que foi criado. Não faz sentido em termos de um Deus eterno, que é o tipo de cristãos acreditam em Deus. E mesmo deixando Deus de fora da equação, então eu tenho o direito de virar Mr. Dawkins própria pergunta de volta ao redor dele e perguntar , se o universo criou você, então quem criou o universo? Você vê, tanto o teísta e o ateu estão sobrecarregados com tanto responder a mesma pergunta de como é que as coisas começam. O que eu estou esperando que você vai pegar a partir de tudo isso é que você não tem a cometer suicídio intelectual para acreditar em um Criador por trás da criação. E na medida em que você não permitir que para Deus, você seria muito difícil encontrar qualquer explicação alternativa credível para como as coisas vieram a ser.


Professor Radisson : Bem, eu imagino que você está muito satisfeito consigo mesmo. Vejo que você cuidadosamente evitado o fato de que Steven Hawking, o cientista mais famoso do mundo e que não é um teísta, saiu recentemente em favor de um universo auto-concepção.



JW : Eu não ter evitado isso, eu só não o fiz. . . .



PR : Você simplesmente não sabe sobre ele. Bem, vamos ver o que o professor Hawking, professor Lucasiano de Física na Universidade de Cambridge, que ocupa uma cadeira de ensino, uma vez ocupada por Sir Isaac Newton, tem a dizer sobre a origem do universo. E passo a citar, "Porque há uma lei como a gravidade, o universo pode e irá criar a si mesmo do nada espontaneamente. A criação espontânea é a razão pela qual existe algo em vez de nada; por que o universo existe;por que nós existimos. Não é necessário invocar Deus para definir o universo em movimento, "acabar com cotação. Então você pode nunca ter se deparar com seu comentário, mas o seu ponto permanece. Como você responde a isso?



JW : Eu não sei.



PR : Você não sabe? Eu estourei o balão de todo o seu argumento com uma única agulha e você não sabe. Hein?


JW : Bem, quero dizer, eu gostaria de dizer a você que eu tenho a resposta perfeita, mas isso não abala a minha fé subjacente.


PR : OK. Assim, a maior mente científica de toda a história diz que Deus não é necessário, mas primeiro semestre calouro diz: "Oh, sim, ele é." Uau, você sabe, que vai ser uma escolha muito difícil. Bem, eu olho para a frente a palestra da próxima semana. Classe está dispensada.


Josh Wheaton começa utilizando um argumento que muitos cristãos achariam controverso, que é uma comparação entre a teoria do big bang e o livro de Gênesis. Para alguns teólogos defensores da criação nova, a explicação do filme soa ofensiva ao texto bíblico.



Há três correntes para explicar a criação do mundo que seriam teístas:


A teoria da criação recente, que a maior parte professa, diz que o mundo foi criado recentemente, há "apenas" milhares de anos. A segunda, defende uma criação antiga com bilhões, mas sem o elemento evolutivo, mas sim progressivo da criação. A terceira tenta misturar as idéias de uma criação com o potencial evolutivo, tenta juntar darwinismo com teísmo.



O argumento utilizado parece muito com o  Argumento Cosmológico de Leibniz, chamado também de Princípio da Razão Suficiente:



  1. - Tudo que existe tem uma explicação para existir, seja por necessidade de sua própria natureza ou seja por uma causa externa
  2. -Se o universo tem uma explicação para existir essa explicação é Deus
  3. - O universo existe
  4. - O universo tem uma explicação para existir.
  5. -A explicação do universo existir é Deus.

O professor Raddison responde ao argumento ontológico, com a resposta ao segundo argumento de que o universo deve existir necessariamente, por uma necessidade de sua própria natureza. 

William Lanne Craig responde que o universo não existe por uma necessidade de sua própria natureza:


Minha tese de que o universo não existe necessariamente fica ainda mais óbvia quando pensamos que parece ser inteiramente possível que os elementos fundamentais que constituem a natureza poderiam ter sido substâncias inteiramente diferentes as partículas subatômicas que hoje temos. Tal universo se caracterizaria por leis da natureza diferentes. Ainda que tomemos nossas leis da natureza como algo logicamente necessário, ainda assim é possível que existissem diferentes leis por causa das substancias dotadas de propriedades e capacidades diferentes das nossas partículas subatômicas poderiam ter existido. Nesse caso estaríamos claramente lidando com outro tipo inteiramente diferente de universo. (Em Guarda, p. 70)
De acordo com a premissa 1, há dois tipos de entes: entes necessários, que existem em razão de sua própria natureza e , portanto, não devem sua existência a nenhuma causa externa, e entes contingentes, cuja existência se deve a fatores externos causais a si mesmos.  

Números, conjuntos e outros objetos matemáticos seriam exemplos do primeiro. Objetos físicos como planetas, estrelas do segundo.

Na cosmovisão ateísta, o universo simplesmente existe como coisa bruta e contingente. 

Contudo, o universo abrange a realidade inteira. Sendo que a causa do universo deve ser anterior a existência do próprio universo, Devendo transcender o espaço e o tempo e, portanto, não pode ser física e nem material.  Contudo, há somente duas espécies de coisas que poderiam se encaixar em tal descrição: um objeto abstrato - um número, por exemplo- ou uma mente - uma alma-.   

Um número não poderia ser a causa de coisa alguma, então, se há uma explicação para o universo, esta deve ser uma Mente transcendente, incorpórea, criadora do universo, o que as pessoas costumam chamar de Deus.

Para escapar deste argumento, o ateu deve requerer que a explicação para o universo não se encontre num plano externo, mas si na necessidade da própria natureza. 

"Nenhum ateu, creio eu, ousará sugerir que alguns quarks, embora pareçam ser simples quarks, têm uma propriedade especial oculta que os torna necessários, de tal modo que onde quer que haja um universo, dele façam parte. É tudo ou nada aqui. Contudo, ninguém acredita que os quarks existam devido a uma necessidade própria da sua natureza. Portanto, a existência do universo não se deve também a uma necessidade da sua própria natureza" (CRAIG, Apologética Contemporânea, p. 105)

Para Craig, o argumento de Leibniz é reforçado pelo Argumento Kalam:

1. Tudo o começa a existir tem uma causa.
2. O universo começou a existir 
3. Portanto, o universo tem uma causa.



SEGUNDO DEBATE: A EVOLUÇÃO BIOLÓGICA


Aqui está uma transcrição do segundo debate discutindo biológica evolução para você examinar:

JW : [Stephen Hawking] também escreveu um livro chamado The Grand Design , que diz o seguinte: ". Porque existe uma lei como a gravidade, o universo pode e irá criar a si mesmo do nada" Para ser honesto, eu não sabia como para refutar isso. Quero dizer, afinal de contas, Hawking é claramente um gênio. Mas, Professor John Lennox, que ensina matemática e filosofia, tem demonstrado que não há um, até mesmo dois, mas três erros de lógica contida no que uma frase simples, e tudo se resume ao raciocínio circular. Hawking está basicamente dizendo que o universo existe porque o universo necessário para existir, e porque o universo necessário para existir, por isso, criou-se. É como esta, se eu digo a você que eu posso provar que o lixo é a melhor comida de degustação que jamais existiu, porque em toda a história, sem comida já provei melhor, você provavelmente me olhe estranho e dizer que eu não tenho provado nada, e você estaria certo.Tudo o que eu tenho feito é reafirmar o meu pedido inicial. Mas quando Hawking afirma que o universo criado em si porque precisava criar a si mesmo e, em seguida, oferece isso como uma explicação de como e por que ele foi criado, nós não reconhecer imediatamente que ele está fazendo a mesma coisa, mas ele é, o que levou Lennox a mais comentários, "Frase sem sentido permanece absurdo mesmo quando falada por cientistas famosos, apesar de o público em geral assume que eles são declarações de ciência."





PR : Este é o cúmulo da arrogância. Você está me dizendo que você, um calouro, estão dizendo que Stephen Hawking é errado?




JW : Não, o que eu estou dizendo é que o raciocínio de John Lennox, um professor de matemática e filosofia, tem encontrado Professor Hawking para ser defeituoso, e eu concordo com a sua lógica. Mas, mas, se você não pode suportar a discordar com o pensamento de Hawking, então eu sugiro que você volte para a página cinco de seu livro, onde ele insiste filosofia está morto. E se você tem tanta certeza da infalibilidade do Professor Hawking, e filosofia está realmente morto, então, uh, bem, não há realmente nenhuma necessidade para esta classe.




[Risos da classe; seguido por uma pausa na cena do debate para uma sessão de aconselhamento entre o pastor e namorada do professor Christian Radisson.]




JW : Senhoras e senhores do júri, durante os últimos 150 anos, os darwinistas têm vindo a dizer que Deus é desnecessário para explicar a existência do homem e que a evolução substitui Deus, mas a evolução só diz o que acontece quando você tem a vida. Então, onde fez que algo que está vivo vem? Bem, Darwin nunca abordou a questão.Ele assumiu talvez algum raio atingiu uma poça estagnada completo do tipo certo de produtos químicos-Bingo-a algo vivo. Mas, uh, é só não é tão simples. Você vê, Darwin afirmou que a ascendência de todos os seres vivos que vieram de um único organismo simples que reproduziu e foi lentamente modificada ao longo do tempo para as formas de vida complexas que vemos hoje, é por isso que depois de contemplar sua própria teoria de Darwin pronunciou sua famosa declaração, "Natura non facit saltum", ou seja, "a natureza não dá saltos." Bem, como se referiu, autor Lee Strobel salientou que, se você pode imaginar todo o 3800000000 anos que os cientistas dizem que a vida tem sido em torno de um dia de 24 horas, no espaço de apenas cerca de 90 segundos a maioria dos principais grupos de animais de repente aparecem nas formas em que actualmente detêm, não lenta e progressivamente como Darwin previsto, mas em termos evolutivos quase que instantaneamente. Assim, "a natureza não dá saltos" torna-se "a natureza dá um salto gigante." Então como é que os teístas explicar essa súbita explosão de novas informações biológicas?

E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus. E Deus criou as grandes baleias, e todo o réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom. Gênesis 1:20-21




Em outras palavras, Criação aconteceu porque Deus disse que deveria acontecer. E mesmo o que olha para os nossos olhos para ser um processo não guiado cego poderia realmente ser divinamente controlado do início ao fim.

Antes de entrar no debate sobre a Teoria da Evolução, o aluno volta ao tema anterior, que era da Argumentação Ontológica, mostrando que os argumentos de Hawking são falaciosos.

Quanto a questão da Teoria da Evolução de Darwin, o aluno se posiciona contrário a ela. Ele defende a teoria da criação tardia.

A ideia é que a terra tem mais do que milhares de anos como a teoria anterior, mas bilhões de anos. É chamado de progressivo, porque entende-se que existiriam eras progressivas de criação na criação da terra. Do ponto de vista escriturístico, esta interpretação coloca alguns textos bíblicos em uma interpretação alegórica, é comum pensar-se o dilúvio como um evento local. Do ponto de vista probatório, faltam evidências científicas.

No livro que baseia o filme, Rice Broocks diz:

"A seleção natural é um processo cego que vagarosamente seleciona pequenas diferenças entre os indivíduos nas espécies para sobreviver sobre outros. Com o tempo, as diferenças benéficas, como um tamanho maior, ser mais dominante numa população. Estas pequenas diferenças são cridas para acumular com o passar do tempo e eventualmente causar uma transformação radical nas espécies. A seleção natural combinada com as mutações são vistas como a explicação para a toda variedade de vida como também para emergência de novas espécies. Para isto acontecer, a vida devera ter emergido gradualmente através de milhões de anos."

Alguns cristãos, defendem a idéia de que a a seleção natural foi o modo como Deus criou as espécies, não vendo contradição entre a Teoria da Evolução e a Fé Cristã.

Nem o filme tampouco o autor no livro base do filme defendem esta idéia. Ambos defendem o conceito de design inteligente, já que houve um processo rápido de consolidação das espécies que não poderia acontecer por puro acaso. Sem uma inteligência por trás do universo, poderia a sorte somente criar tudo conforme Darwin.

Vejamos como o blog cristão Desafiando a nomenclatura científica, descreve o design inteligente:

O Design Inteligente (DI) é uma teoria científica que emprega os métodos comumente usados por outras ciências históricas para concluir que certas características do universo e das coisas vivas são mais comumente explicadas por uma causa inteligente, não por um processo não guiado como a seleção natural. Os teóricos do DI argumentam que o design pode ser inferido estudando-se as propriedades informacionais dos objetos naturais para determinar se eles portam o tipo de informação que em nossa experiência surgem de uma causa inteligente. A forma de informação que nós observamos é produzida por uma ação inteligente, e assim indicar seguramente o design, que é geralmente chamado de “complexidade especificada” ou “informação complexa e especificada” (ICE). Um objeto ou evento é complexo se ele for improvável, e especificado se corresponder a algum padrão independente. (A ciência por detrás do design inteligente?)
Há um conceito de complexidade irredutível, que diz que muitas estruturas nos organismos tem partes numerosas em si e algumas delas não possui função. A teoria da seleção natural se propõe a explicar  que tudo tem que ter uma função para sua existência por causa da evolução

No livro "Deus não está morto", Rice Broocks descreve alguns exemplos dessa complexidade irredutível, tais como: flagelo bacteriano, a evolução do olho, o DNA lixo. 

Existe uma evidência para o design vista na complexidade da vida num nível menor. A vida não parece ser apenas desenhada mas também uma obra de engenharia em suas escalas mais microscópicas. 

A teoria darwiniana falha em dar conta de toda a diversidade e complexidade da vida. 



TERCEIRO DEBATE: O PROBLEMA DO MAL.

JW : Bem, por que não? O professor Radisson, que é claramente um ateu, não acredita em absolutos morais. Mas seu plano de estudos diz que pretende dar-nos um exame durante a semana de provas finais. Agora, eu estou apostando que, se eu consegui obter um A no exame por engano, de repente ele vai começar a soar como um cristão, insistindo que é errado para enganar, que eu deveria ter sabido disso. E, no entanto, que base ele tem? Se minhas ações são calculados para me ajudar a ter sucesso, então por que eu não deveria realizá-las? Para os cristãos, o ponto fixo da moralidade, o que constitui o certo eo errado, é uma linha reta que leva diretamente de volta a Deus.


PR : Então você está dizendo que precisamos de um deus a ser moral? Que um ateu moral é uma impossibilidade?


JW : Não, mas sem Deus não há nenhuma razão real para ser moral; não há nem mesmo um padrão de comportamento que é moral. Para os cristãos, mentir, enganar, roubar e meu exemplo, roubar um grau eu não ganhar, são proibidos como uma forma de roubo. Mas se Deus não existe, como Dostoyevsky apontou famosa: "Se Deus não existe, então tudo é permitido." E não só permitido, mas inútil. Se Professor Radisson está certo, então tudo isso, todos da nossa luta, todo o nosso debate, o que quer que decidir aqui, não tem sentido. Quer dizer, nossas vidas, nossas mortes são consequência de não mais do que a de um peixinho dourado.



PR : Vamos lá, isso é ridículo. Então, depois de toda a sua conversa, você está dizendo que tudo se resume a uma escolha-de-conta ou não acreditam.



JW : É isso mesmo. Isso é tudo o que existe. Isso é tudo o que já existiu. A única diferença entre a sua posição ea minha posição é que você tirar a sua escolha. Você exige que eles escolhem a caixa "Eu não acredito."



PR : Sim, porque eu quero libertá-los. Porque a religião é como um. . . é como um vírus mente que pais passaram para seus filhos. E o cristianismo é o pior vírus de todos. Ele lentamente se arrasta em nossas vidas quando estamos fracos ou doentes ou impotente.



JW : Então a religião é como uma doença?



PR : Sim, sim. Ele infecta tudo. É o inimigo da razão.



PR : Por que você não admitir a verdade? Você só quer iludir-los em sua superstição primitiva.



JW : O que eu quero é para que façam sua própria escolha. Isso é o que Deus quer.



PR : Você não tem idéia do quanto eu estou indo para desfrutar falhando.



JW : Quem você está olhando realmente para falhar, Professor: eu ou Deus?



JW : Você odeia Deus?



PR : Isso não é mesmo uma pergunta.



JW : Ok, por que você odeia Deus?



PR : Isso é ridículo.



JW : Por que você odeia Deus ?! Responda a questão! Você viu a ciência e os argumentos. Ciência apoia Sua existência.Você sabe a verdade! Então, por que você o odeia ?! Por quê ?! É uma pergunta muito simples, Professor. Por que você odeia Deus ?!



PR : Porque Ele tirou tudo de mim! Sim, eu odeio Deus! Tudo que eu tenho por ele é o ódio!



JW : Como você pode odiar alguém, se eles não existem?



PR : Você provou nada.



JW : Talvez não, mas que começa a escolher. Será que Deus está morto?



Estudantes [como estão] : Deus não está morto. Deus não está morto. Deus não está morto. Deus não está morto. Deus não está morto. . . .


JW : Foi dito que o mal é a arma mais poderosa do ateísmo contra a fé cristã. E isso é! Afinal, a própria existência do mal levanta a questão [sic], "Se Deus é tudo de bom e Deus é todo poderoso, por que Ele permite que o mal existe?" A resposta, em sua essência, é extremamente simples: o livre arbítrio. Deus permite que o mal existe, porque do livre arbítrio. Do ponto de vista cristão, Deus tolera o mal neste mundo, numa base temporária para que um dia aqueles que optam por amá-lo livremente vai morar com Ele no céu livre da influência do mal, mas com o seu livre arbítrio intacta! Em outras palavras, a intenção de Deus para o mal é um dia destruí-lo.


PR : Bem, como conveniente. "Um dia, eu vou me livrar de todo o mal no mundo, mas até então você só tem que lidar com todas as guerras e holocaustos, tsunamis, pobreza, fome e  AIDS. Tenha uma boa vida. "Em seguida, ele será dar-nos lições sobre valores morais absolutos.

JW : Razão? Professor, você deixou razão há muito tempo. O que você está ensinando aqui não é filosofia; não é mesmo o ateísmo mais. O que você está ensinando é anti-teísmo. Não é o suficiente para que você não acredita, você precisa de todos nós para não acreditar com você.


No filme como também no livro, a mesma tese é defendida: da impossibilidade da vida moral sem a existência de Deus como padrão para o certo e o errado. 

Devemos nos lembrar que há o problema intelectual e o problema emocional em relação ao mal:
"O problema intelectual do mal diz respeito a como dar uma explicação racional de Deus e do mal. O problema emocional do mal diz respeito a como confortar ou consolar aqueles que estão sofrendo e como dissolver o desprazer emocional que as pessoas têm de um Deus que permite o mal (...) É importante entender essa distinção, porque a solução para o problema intelectual tem a propensão de parecer árida, insensível e desconfortante para alguém que tem passado pelo sofrimento, enquanto que a solução para o problema emocional tem a propensão de parecer deficiente, como uma explicação mal feita por alguém que o contempla abstratamente" (William Lane Craig, Apologética para questões difíceis da vida ,p. 86-87)
No filme, vemos que se trata de um problema emocional claramente que está em questão. 

Para Lanne Craig, há duas abordagens ateístas sobre a questão, o problema lógico, mostrar que Deus e o mal são logicamente incompatíveis e o problema probabilístico, se é possível ambos, a coexistência seria altamente improvável. 

"O ateu raciocina que, visto que Deus é todo-poderoso, ele poderia criar um mundo contendo criaturas livres que sempre escolheriam livremente fazer o que é correto. Tal mundo seria um mundo sem pecado, livre de todos os males morais e humanos. Justament por isso, sendo todo-poderoso, Deus poderia também criar um mundo  no qual nenhum mal natural jamais viesse a ocorrer. Seria um mundo livre do mal, dor e sofrimento" p. 88

Lanne Craig aponta que o ateu não diz que um mundo assim seria um mundo de marionetes. O ateu aponta um mundo em que as pessoas poderiam escolher o certo livremente, do ponto de vista cristão, tal mundo seria possível, pois o pecado não é algo necessário no ser humano.

Pois se o pecado fosse uma necessidade, essa necessidade em última análise teria sua causa em Deus, então, Deus seria a causa do mal. É aí que os ateístas querem chegar, negar a essência de Deus como  totalmente bondoso e imputar a ele a causa do mal.

Lanne Craig cita David Hume "Se ele quer evitar o mal, mas não é capaz de fazê-lo, então ele é impotente. Se ele é capaz, mas não quer evitá-lo, então ele é malévolo. Ora, se ele quer evitar o mal e é capaz de evitá-lo, então como se explica o mal?" (p. 89)

Para Lanne Craig, há um argumento falacioso aqui:

"Em primeiro lugar, não é necessariamente verdadeiro que um Deus todo-poderoso possa criar exatamente qualquer mundo possível. O fato de Deus ser todo-poderoso não significa que ele possa fazer impossibilidades lógicas, tais como fazer um quadrado redondo, ou fazer alguém escolher livremente tomar uma atitude" p. 89

Ele baseia o problema do mal na liberdade da escolha que Deus deu:

" Assim, se Deus concede às pessoas uma liberdade genuína para escolher o que gostam,então é impossível para ele determinar quais serão as escolhas delas. Tudo que ele pode fazer é criar circunstâncias nas quais uma pessoa seja capaz de fazer uma escolha livre e, então deixar que a escolha seja feita" p. 90

São as criaturas que produzem o mal devido a suas escolhas, e Deus não pode fazer nada a não ser que eliminasse a livre escolha delas. 

Em termos filosóficos, o mal é um acidente na escolha humana, é algo que veio da liberdade. Quanto aos males naturais, Lanne Craig diz que são devidos a atuação de demônios, afinal, como os seres humanos, os seres espirituais também são dotados da mesma liberdade.

Lanne Craig termina a argumentação com a seguinte declaração:

"Assim, a primeira suposição feita pelo oponente ateu- a saber, que um Deus todo-poderoso pode criar qualquer mundo que ele escolha criar- não é necessariamente verdadeira" p. 90

Há também um segundo ataque nesta questão.

"Eles podem admitir que não há nenhuma inconsistência entre Deus e o mal em geral, mas ainda argumentam que a existência de Deus é inconsistente com a quantidade e com a qualidade do mal  no mundo (...) Deus não pode ter razões suficientes para permitir a quantidade e os tipos de males que existem" p. 92

Este argumento me parece o mais próximo do texto de Clarice, a resposta Lanne Craig toma de Alvin Platinga:

"Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem como o mundo real, mas que tivesse menos mal, tanto em termos de quantidade como de qualidade,e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para o mal que existe" p. 94

No segundo capítulo sobre sofrimento e o mal, que trata do problema probabilístico, Lanne Craig traz a resposta cristã ao sofrimento, as razões morais de Deus para permitir a dor:

  • 1. O propósito principal da vida não é a felicidade, mas o conhecimento de Deus.
  • 2. A raça humana está no estado de rebelião contra Deus e seu propósito.
  • 3. O propósito de Deus não está restrito a esta vida, mas se derrama além da sepultura para a vida eterna.
  • 4.O conhecimento de Deus é um bem incomensurável.

Ele termina esse capítulo com uma frase que vale a pena ser transcrita:

"Paradoxalmente, então, ainda que o problema do mal seja a maior objeção à existência de Deus, no fim do dia Deus é a única solução para o problema do mal. Se Deus não existe, então nós estamos perdidos, sem esperança na vida e cheios de sofrimentos desnecessários e irreparáveis. Deus é a resposta final para o problema do mal, pois ele nos redime do mal e nos leva para a alegria eterna de um bem incomensurável: a comunhão com ele" p. 121



Concordo com o autor, Deus criou os seres humanos para viverem dependentes dEle, quando saímos da esfera da receptividade, sendo influenciados pelo nosso inimigo, negamos a Ele e damos ocasião ao mal.

C.S. Lewis coloca isto assim:

A condição mínima de autoconsciência e liberdade seria então que a criatura devesse apreender a Deus e, portanto, ela mesma fosse diferente de Deus. É possível que tais criaturas existam, conscientes de Deus e de si mesmas, mas não de seus semelhantes. Caso positivo, sua liberdade é simplesmente aquela de fazer uma única e singela escolha: amar a Deus mais do que ao "eu" ou ao "eu" mais do que a Deus. Mas uma vida assim reduzida aos essenciais não pode ser concebida por nós. No momento em que tentamos introduzir o conhecimento mútuo dos semelhantes encontramos o obstáculo da necessidade da "Natureza".  (p.11)

----- 

ALVIN PLANTINGA- DEUS, A LIBERDADE E O MAL

A existência de Deus nem é impedida pela existência do mal nem se torna improvável. É claro que o sofrimento e o infortúnio podem, apesar disso, constituir um problema para o teista, mas o problema não é que as suas crenças são logicamente ou probalisticamente incompatíveis. O teísta pode encontrar um problema religioso no mal, na presença do seu próprio sofrimento ou do sofrimento de alguém que lhe seja próximo, o teísta pode ter dificuldade em manter o que considera ser a atitude própria diante de Deus. Diante do grande sofrimento ou infortúnio, o teísta pode sentir-se tentado a rebelar-se contra Deus, agitando o seu punho na face de Deus, abandonando ate sua crença em Deus. Tal problema pede cuidado pastoral e não esclarecimento filosófico. A defesa do livre-arbitrio, contudo, mostra que a existência de Deus é compatível, tanto lógica como probalisticamente, com a existência do mal, assim, resolve o problema filosófico principal do mal (p. 84)

3 comentários:

pitermaverick disse...

Depois de ter lido todas as argumentações de ambos o lados ,chego na conclusão que por mais que as teorias sejam de um estudo profundo ,mostra claramente incertezas e limitações , sendo assim é obrigatoriamente exigido mais que a logica para observar certos fatos , existem mais variaveis q certezas apar os ateus , coisa que é bem menor para os teistas , se não ha necessidade de um ser maior para a criação , então me explique sobre a origem , a luz não precisa de existencia a escuridão ?uma necessita da outra para co existirem !como saberiamos o que é trevas sem luz? a escuridão é ausência de luz ,ou a luz é ausencia de trevas ?para ambas existirem tem que haver um ser superior e criador .

Sandia Do Nascimento Souza disse...

[2/8 17:52] Sândia Souza: "É pela fé que entendemos que o Universo foi criado pela palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi feito daquilo que não se vê. (...)Sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor."
Hebreus 11:03 e 6
Os ateus parecem procurar formas de explicar a existência do mundo... podem inventar , pesquisar... Mas não vão encontrar algo tão simples como Deus. Parece absurdo mais é isso mesmo... Um ser inexplicavel que ninguém nunca viu, mas no coração daqueles que crêem é mais real do que a própria vida. Ninguém explica Deus. E se você não tiver fé para crer tudo o que se relata sobre Ele são absurdos. E então passará tempo e mais tempo da sua vida procurando provar que Ele não existe, ou que Ele está morto... Enquanto isso, vidas são restauradas, alianças são firmadas, enfermidades são curadas e Deus vai agindo naqueles que crêem, tudo isso por intermédio da Fé... E quem não crer... Bem esses não sabem o que estão perdendo...
#DeusNãoEstáMorto
#NinguémExplicaDeus

Sandia Do Nascimento Souza disse...

"É pela fé que entendemos que o Universo foi criado pela palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi feito daquilo que não se vê. (...)Sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a Ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor."
Hebreus 11:03 e 6

Os ateus parecem procurar formas de explicar a existência do universo... podem inventar , pesquisar... Mas não vão encontrar, pois a solução está em algo tão simples... Deus. Parece absurdo mais é isso mesmo... Um ser inexplicavel que ninguém nunca viu, mas no coração daqueles que crêem é mais real do que a própria vida. Ninguém pode explicá-lo. E se você não tiver fé para crer, tudo o que se relata sobre Ele serão absurdos. E então você passará tempo e mais tempo da sua vida procurando provar que Ele não existe, ou que Ele está morto... Enquanto isso, vidas são restauradas, alianças são firmadas, enfermidades são curadas e Deus vai agindo naqueles que crêem, tudo isso por intermédio da Fé... E quem não crer... Bem esses não sabem o que estão perdendo...